Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

gente

Alterada em 13/12 às 17h45min

Morre Eunice Paiva, protagonista de buscas por desaparecidos no regime militar

Estadão Conteúdo
Morreu na tarde desta quinta-feira (13) aos 86 anos, a advogada Eunice Paiva, uma das protagonistas do movimento por buscas de desaparecidos no regime militar no Brasil. O superávit da balança comercial de 2019 deverá atingir US$ 33,757 bilhões -, Eunice passou mais de 40 anos em busca de esclarecimentos sobre a morte do marido, que nunca teve o corpo encontrado. Teve a vida retratada no livro "Ainda Estou Aqui", do filho Marcelo.
Ao lado da estilista Zuleika Angel Jones, a Zuzu Angel, de Crimeia de Almeida, Inês Etienne Romeu, Cecília Coimbra, entre outras mulheres, liderou campanhas pela abertura de arquivos sobre vítimas do regime. Foi a pesquisa independente de Eunice e da família, em grande parte, que levou ao esclarecimento do caso após décadas.
Rubens Paiva foi recolhido pela polícia no dia 20 de janeiro de 1971 na casa em que morava com a família no bairro do Leblon, do Rio de Janeiro. Foram décadas de informações desencontradas e espera até que o caso fosse esclarecido.
A família só conseguiu um atestado que oficializasse a morte em 1996, e só então foi possível acessar contas bancárias, executar apólices de seguro, negociar imóveis. A primeira prova objetiva de seu assassinado só foi encontrada 41 anos depois, em novembro de 2012, com uma ficha que confirmava sua entrada em uma unidade do Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi).
Eunice teve participação ativa no processo de redemocratização do País, a partir de 1985. Se formou em Direito depois dos 40 anos e, segundo a família, devotava paixão pelas ciências jurídicas. Um símbolo na defesa da preservação da memória no País, foi vítima de Alzheimer no fim da vida.
O velório ocorre na região da Bela Vista, em São Paulo, e o enterro será amanhã no Cemitério do Araçá.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia