Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

Edição impressa de 13/12/2018. Alterada em 13/12 às 01h00min

POD Socioeducativo melhora índices entre egressos da Fase

A Secretaria Estadual do Planejamento, Governança e Gestão divulgou ontem um levantamento sobre os impactos do Programa de Oportunidades e Direitos (POD) Socioeducativo, destinado a jovens egressos da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase). De acordo com a avaliação, a mortalidade entre participantes do programa ficou em 7,8%, enquanto o índice entre não participantes atingiu 17%. A presença no POD Socioeducativo, segundo a pasta, amplia em 2,4 vezes a chance de emprego formal e reduz quase pela metade o risco de reincidência criminal.

O levantamento coletou dados referentes a 728 jovens de 12 a 21 anos, que se desligaram da Fase entre 2012 e 2013. Desses, 180 aderiram ao POD Socioeducativo. Do número total de egressos, 93% são homens, a maioria (46%) são negros e 16% têm filhos.

A escolaridade média é baixa: de cada quatro adolescentes pesquisados, três têm, no máximo, sete anos de estudo. Outra realidade comum entre eles é o uso de drogas, com 87% dos participantes relatando consumo de cocaína, maconha e outros entorpecentes, além de substâncias como álcool e cigarro. O crime mais comum é o roubo (39%), seguido pelo tráfico de entorpecentes (33%) e homicídio (11%).

Entre as conclusões do estudo, está a necessidade de melhorar a execução do POD Socioeducativo, a partir da redução de desligamentos. Para levantamentos futuros, deve ser incluído o indicador de educação, além da tentativa de determinar os fatores de risco para reincidência e mortalidade entre os participantes do programa.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia