Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

Edição impressa de 13/12/2018. Alterada em 13/12 às 01h00min

Morre quinta vítima de ataque a tiros em catedral de Campinas

A prefeitura de Campinas confirmou ontem a morte de Heleno Severo Alves, de 84 anos, quinta vítima fatal do atentado ocorrido na terça-feira, na Catedral Metropolitana da cidade. O aposentado estava internado no Hospital Dr. Mário Gatti, onde passou por cirurgia após ser atingido no tórax e no abdômen por Euler Fernando Grandolpho, que abriu fogo no final de uma missa e cometeu suicídio, após ser baleado por policiais.

Também morreram Cristofer Gonçalves dos Santos, de 38 anos; Elpidio Alves Coutinho, 67; José Eudes Gonzaga, 68; e Sidnei Vitor Monteiro, de 39 anos. Grandolpho, de 49 anos, atuava como analista de sistemas e, segundo o Ministério Público de São Paulo, chegou a ocupar um cargo de auxiliar de promotoria, do qual exonerou-se em 2014.

O governador eleito de São Paulo, João Doria, disse não ver correlação entre a tragédia e a discussão sobre a flexibilização do porte de armas. Para ele, foi um ato "promovido por uma pessoa desequilibrada mental e emocionalmente". "Essa (flexibilização) é uma discussão que tem que seguir. Nossa discussão vai continuar sendo a mesma, não vemos correlação", frisou.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia