Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de dezembro de 2018.
Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

Edição impressa de 11/12/2018. Alterada em 11/12 às 01h00min

Governo da Alemanha doa ¤180,8 mil ao Museu Nacional

O Museu Nacional, totalmente destruído por um incêndio no início de setembro, no Rio de Janeiro, recebeu ontem uma doação no valor de € 180,8 mil do governo alemão. A quantia, equivalente a cerca de R$ 808 mil, será utilizada na recuperação do acervo resgatado dos escombros.
O cônsul-geral da Alemanha no Rio de Janeiro, Klaus Zillikens, afirmou que a doação representa apenas uma etapa inicial, uma vez que o Museu Nacional continuará sendo assistido. O governo alemão pretende disponibilizar um aporte de até € 1 milhão, que deve ser repassado conforme as demandas do museu.
A doação será usada na compra de materiais específicos de recuperação, listados pelas equipes de busca. Artigos como computadores e lupas especiais serão adquiridos - uma delas, inclusive, vai ser usada em particular na reintegração de Luzia, o fóssil humano mais antigo do Brasil. "É um valor que entra para aquilo que a gente precisa. Nós estamos extremamente gratos pela sensibilidade do governo alemão", reforçou o diretor do museu, Alexander Kellner.
Embora o incêndio tenha destruído grande parte do Museu Nacional, as equipes de busca estão satisfeitas com os materiais já recuperados até o momento: cerca de 1,5 mil itens, entre peças das coleções, equipamentos, objetos pessoais, fragmentos arquitetônicos e alguns objetos ainda não identificados.
Segundo o diretor do museu, o trabalho de resgate está seguindo conforme o previsto. O foco maior está no escoramento das paredes mais frágeis para que os pesquisadores possam ter acesso ao prédio para procurar as peças. Já o trabalho de cobertura do palácio deve ser iniciado no próximo mês, em janeiro do ano que vem.
Até o momento, todo o progresso realizado no Museu Nacional foi graças ao repasse de R$ 10 milhões feito pelo Ministério da Educação. Para 2019, são esperados pelo menos R$ 56 milhões do governo federal.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia