Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

clima

Alterada em 23/11 às 21h28min

Relatório dos EUA adverte sobre prejuízos causados por mudanças climáticas

Estadão Conteúdo
O impacto da mudança climática global é sentido em todos os Estados Unidos e, caso descontrolado, poderia causar perdas econômicas no país que totalizariam centenas de bilhões de dólares ao ano até o fim deste século, afirma um novo relatório do governo americano divulgado nesta sexta-feira. Muitas comunidades e empresas nos EUA tentam contrabalançar os efeitos da alta nas temperaturas, que causa problemas como falta d'água e enchentes, piora em incêndios e poluição do ar. Essas medidas, porém, até agora não conseguem dar conta do problema, de acordo com o mais recente balanço do órgão Avaliação Nacional do Clima dos EUA.
O relatório federal afirma que há evidências "imensas" de mudanças climáticas causadas pelo homem e que isso continua a se fortalecer. Isso provoca ameaças físicas, sociais e econômicas ao bem-estar dos americanos, adverte. Obrigatória por lei desde 1990, a avaliação oficial do clima é produzida a cada quatro anos pelo Programa de Pesquisa de Mudança Global dos EUA para orientar políticas federais. A nova edição mostra o impacto local das altas nas temperaturas pelo país.
Uma autora do relatório, Brenda Ekwurzel afirma que o documento deixa claro que a mudança climática "não é um problema para um futuro distante". Segundo ela, questões como incêndios, furacões e ondas de calor nunca vistos são fruto dessas mudanças.
As conclusões se chocam com declarações do presidente americano, Donald Trump, que tem mostrado ceticismo sobre as tendências do aquecimento global, questionando a validade da informação científica produzida na área, bem como desafiando regulações federais para controlar a emissão de gases causadores do efeito estufa. Os autores do documento afirmaram que não houve "interferência externa" na elaboração do documento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia