Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino Superior

Alterada em 31/10 às 17h28min

Toffoli vota por suspensão de ações policiais em universidades

Presidente da Corte acompanhou voto proferido pela relatora, ministra Cármen Lúcia

Presidente da Corte acompanhou voto proferido pela relatora, ministra Cármen Lúcia


Sergio LIMA/AFP/JC
Agência Brasil
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, proferiu há pouco segundo voto para manter a suspensão das decisões da Justiça Eleitoral que determinaram ações policiais e de fiscalização eleitoral nas universidades públicas durante as eleições.
Em um voto rápido, o presidente acompanhou voto proferido pela relatora, ministra Cármen Lúcia, que concedeu liminar contra as ações policiais nas universidades na semana passada. 
Nas sessões, o presidente é o último a votar, mas diante de uma viagem oficial que fará hoje (31), Toffoli adiantou seu voto.
As decisões da Justiça Eleitoral em diversos estados foram questionadas no STF pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Segundo a procuradora-geral, Raquel Dodge, as decisões ofenderam os princípios constitucionais da liberdade de expressão e de reunião. 
Após as decisões proferidas pelos juízes eleitorais, os tribunais regionais eleitorais (TREs) informaram que decisões foram proferidas para coibir a propaganda eleitoral irregular a partir de denúncias feitas por eleitores e pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).
O julgamento continua para a tomada de votos de mais oito ministros.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia