Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de outubro de 2018.
Dia do Comerciário. Dia do Balconista.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino Superior

Alterada em 30/10 às 15h05min

Supremo discute se entrada de agentes em universidades fere direitos

Plenário decide se referenda ou não decisão da ministra Cármen Lúcia, que suspendeu ações

Plenário decide se referenda ou não decisão da ministra Cármen Lúcia, que suspendeu ações


CNJ/DIVULGAÇÃO/JC
Folhapress
O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) prevê julgar nesta quarta-feira (30) um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para suspender quaisquer atos que autorizem a entrada de policiais e outros agentes públicos em universidades públicas e privadas com a finalidade de interromper aulas e debates, apreender documentos e tomar depoimentos.
A ação, ajuizada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, foi uma resposta a uma série de iniciativas da Justiça Eleitoral realizadas na semana passada em várias universidades públicas pelo país sob a justificativa de coibir propaganda eleitoral irregular.
Nessas iniciativas, foram retiradas faixas com dizeres antifascismo que haviam sido colocadas pelos estudantes, como ocorreu na Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói (RJ). "A interpretação de dizeres 'Direito UFF Antifascista', 'Marielle Franco presente', 'Ditadura nunca mais' (...) como propaganda eleitoral transborda os limites da razoabilidade", afirmou em nota a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, ligada à PGR.
Segundo especialistas, propaganda eleitoral é pedido explícito de voto, o que de fato é vedado em prédios públicos como as universidades. Ela não deve ser confundida, porém, com debates de ideias e propostas políticas.
No sábado (27), a relatora da ação ajuizada pela PGR, ministra Cármen Lúcia, deferiu uma medida cautelar suspendendo as decisões da Justiça Eleitoral e as iniciativas dos agentes públicos nas universidades que foram alvos. O plenário do Supremo deverá decidir nesta quarta se referenda ou não a decisão da ministra.
Os magistrados vão discutir se tais iniciativas ofendem os direitos fundamentais de liberdade de manifestação do pensamento, de expressão da atividade intelectual, artística, científica, de comunicação e de reunião, além da autonomia didático-científica e administrativa das universidades.
Alguns ministros do STF já se posicionaram publicamente sobre os episódios registrados em cerca de 30 instituições na semana passada. Luís Roberto Barroso disse que a polícia só deve entrar nesses locais se for para estudar.
Ricardo Lewandowski afirmou que "a presença de policiais nos espaços acadêmicos afronta a autonomia universitária e a liberdade de manifestação do pensamento que a Constituição garante aos professores e estudantes".
O presidente da corte, Dias Toffoli, disse que o STF "sempre defendeu a autonomia e a independência das universidades brasileiras, bem como o livre exercício do pensar, da expressão e da manifestação pacífica".
As universidades permaneceram sob os holofotes nesta semana. Grupos simpáticos ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), convocaram pessoas para se manifestar em universidades públicas a pretexto de combater grupos de esquerda. Nesta segunda (29), por exemplo, um pequeno grupo esteve na Universidade de Brasília (UnB), mas precisou recuar e ser escoltado por policiais, diante da resistência de um grupo maior de estudantes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia