Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de outubro de 2018.
Dia do Trabalhador da Construção Civil. Dia da Democracia.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

clima

Alterada em 26/10 às 14h39min

ONS prevê chuvas acima da média no Centro-Sul do País em novembro

Estadão Conteúdo
As chuvas devem ficar acima da média em novembro no Centro-Sul do País. Segundo estimativas do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o volume de água que chegará aos reservatórios das usinas ao longo do mês que vem ficará em 109% da média histórica para o período no Sudeste e em 103% no Sul. Ainda assim, a perspectiva é de não haja recuperação do nível dos reservatórios nas duas regiões, encerrando novembro com 20,4% da capacidade e 65,9%, respectivamente, ante os 20,6% e 68,9% anotados na quinta-feira, 25.
No Nordeste, que atravessa um longo período de estiagem, a situação segue desfavorável, com chuvas em 60% da média histórica em novembro. Já o nível dos reservatórios permanecerá relativamente estável, passando dos 25,9% registrados na quinta para 26,1%.
Já no Norte, a afluência esperada é de 78% da média histórica para novembro, o que acarretará em uma queda de 10,3 pontos porcentuais na Energia Armazenada (EAR), para 19%.
Em relação à carga, a projeção do ONS aponta para um crescimento da ordem de 2% no mês que vem, em relação a igual período do ano passado, no Sistema Interligado Nacional (SIN), para 67.330 MW médios.
O subsistema Sudeste/Centro-Oeste, principal centro de carga do País, deve registrar uma carga de 39.142 MW médios, o que corresponde a uma alta de 2,4% frente ao anotado na mesma etapa de 2017, enquanto no Sul a previsão é de 11.506 MW médios, expansão de 2,9%. No Nordeste, a carga deve crescer 1,3%, para 11.113 MW médios, enquanto o Norte deve registrar queda de 0,9%, para 5.569 MW médios.
Diante de tais projeções, o ONS calculou um Custo Marginal de Operação (CMO) de R$ 136,81 por megawatt-hora (MWh) na média da primeira semana operativa de novembro (entre 27 de outubro e 2 de novembro) para todos os subsistemas, uma queda de 39,5% em relação aos R$ 226,32/MWh calculados na semana passada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia