Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Habitação

Edição impressa de 17/10/2018. Alterada em 17/10 às 01h00min

Desapropriação na ponte do Guaíba voltará a ser discutida no dia 29

As audiências de conciliação para a desapropriação das casas das famílias afetadas pela construção da nova ponte do Guaíba, em Porto Alegre, serão retomadas no fim do mês. As tratativas começam no dia 29 de outubro, em rodadas previstas para durar três dias.

A definição da data, determinada pela 26ª Vara Federal de Porto Alegre, ocorreu após reunião com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), na segunda-feira. Segundo a assessoria de imprensa da Justiça Federal, o departamento se comprometeu a ingressar imediatamente com as ações restantes para contemplar as cerca de 450 famílias atingidas pelas obras na Ilha dos Marinheiros. Até a quinta-feira passada, apenas 207 processos haviam sido ajuizados.

Além das audiências dos dias 29 a 31 de outubro, outra rodada de negociações está marcada para os dias 6, 7 e 8 de novembro. A Justiça informa que há, ainda, uma reserva de datas para novembro e dezembro.

Na semana passada, as rodadas de audiências que estavam marcadas para ontem e hoje foram suspensas. O juiz federal Hermes Siedler da Conceição Júnior avaliou que eram necessárias mais tratativas com o Dnit.

A conclusão da nova ponte do Guaíba depende de acordo ainda não fechado entre o Dnit e as famílias que vivem no entorno e que precisam ser reassentadas. As obras na ponte foram iniciadas em outubro de 2014, mas, até hoje, não foi encontrada uma solução para os reassentamentos.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia