Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de setembro de 2018.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Urbanismo

14/09/2018 - 14h53min. Alterada em 14/09 às 15h48min

Prefeitura manda lojista remover canteiro em calçada de Porto Alegre

Canteiro foi construído ao redor de árvore no Viaduto Otávio Rocha onde pavimento estava solto

Canteiro foi construído ao redor de árvore no Viaduto Otávio Rocha onde pavimento estava solto


DIVULGAÇÃO/JC
Paulo Egídio
Cansado de esperar por uma solução da prefeitura para corrigir uma falha no passeio no Viaduto Otávio Rocha, um dos pontos turísticos no Centro Histórico de Porto Alegre, o comerciante Natanael Frizon, permissionário de um dos espaços no viaduto que pertence ao município, construiu há um mês, com recursos próprios, um canteiro e um pequeno jardim em torno de uma árvore no passeio na avenida Borges de Medeiros.
Apesar de ter usado dinheiro do próprio bolso e ter recebido elogios de clientes e transeuntes, Frizon recebeu uma notificação da prefeitura para a retirada do canteiro, sob pena de sofrer multa. “Vi que é uma prática comum no centro ter canteiros, nada anormal. Quis fazer um bem e deu nisso”, lamenta o permissionário, que alega ter gastado R$ 400,00 na pequena obra. “Deixei respiradouro, tudo certinho. Eles querem o buraco de novo”, questiona Frizon.
Indignado, o dono de uma revenda de celulares começou a colher assinaturas para tentar manter o canteiro. Até o momento, ele já contabiliza 170 apoios, entre o abaixo-assinado presencial, em sua loja, e um virtual, criado via redes sociais. O prazo para retirar o canteiro termina nesta sexta-feira (14). Se não cumprir, Frizon pode ser autuado. “Eu não quero briga. É só um pedido para que não removam”, salienta o lojista.

GOOGLE MAPS/REPRODUÇÃO/JCImagem do Google Maps de 2017 mostra, à esquerda, canteiro antes da reforma. Foto: Google Maps/Reprodução/JC

De acordo com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Smams), responsável pela advertência ao empresário, o espaço arenoso ao redor da árvore é necessário para seu desenvolvimento. “Nessa intervenção, houve redução da área permeável na base do vegetal com a adição de cimento, prejudicando a permeabilidade de água e manutenção das raízes”, explicou a pasta, por meio de nota.
Caso não cumpra a notificação da prefeitura, que determina a remoção do cercamento de tijolos e do concreto ao redor da árvore, Frizon poderá ser autuado e sofrer multa que pode chegar a até R$ 4 mil. “O valor de multa em caso de autuação deve ser calculado no término do processo”, informa também a Smams.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
VICTOR HUGO 14/09/2018 16h05min
Então quer dizer o que buroca que tem ali na rua é para a arvore poder se desenvolver, isso é o que a prefeitura alega?