Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 01 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde Animal

Edição impressa de 29/08/2018. Alterada em 29/08 às 10h47min

Fundação de Meio Ambiente de Gravataí realiza vistoria no parque Pampas Safari

A intenção da vistoria é a averiguação in loco da quantidade de animais existentes

A intenção da vistoria é a averiguação in loco da quantidade de animais existentes


MÁRCIA BECKER/FMMA/DIVULGAÇÃO/JC
Suzy Scarton
A Justiça emitiu, no início da tarde de ontem, uma intimação judicial determinando que a Fundação Municipal de Meio Ambiente de Gravataí (FMMA) realizasse uma vistoria no parque Pampas Safari, em Gravataí, na Região Metropolitana. A intenção da vistoria é a averiguação in loco da quantidade de animais existentes no local, bem como das condições em que se encontram.
A inspeção, de acordo com Márcia Becker, diretora do Bem-Estar Animal da FMMA, ocorreu ainda na tarde de ontem e foi concluída em torno das 16h30min. Além de um fiscal ambiental e de uma bióloga da fundação, autoridades de Gravataí e da Secretaria Estadual da Agricultura também estiveram presentes na vistoria. O relatório, bem como comprovação fotográfica, deve ser emitido "o mais breve possível", segundo Márcia. O principal objetivo é averiguar se os cuidados necessários para a proteção dos espécimes têm sido dispensados. Embora o levantamento ainda esteja sendo feito, Márcia afirma ser "evidente" que o número de animais diminuiu.
Em agosto do ano passado, a Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no Rio Grande do Sul autorizou o abate de cerca de 300 cervos devido à suspeita de contaminação por tuberculose. Depois de desdobramentos jurídicos, o abate dos animais foi suspenso pela Justiça e segue vetado até hoje.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Eduino de Mattos 01/09/2018 09h56min
voto nulo e um VOTO POLITICO.