Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 15/08 às 08h29min

Polícia deflagra 2ª fase de operação contra sonegação de R$ 5 bilhões em São Paulo

Estadão Conteúdo
A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira (15) a segunda fase da Operação Rosa dos Ventos, para apurar crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo sonegação fiscal em distribuidoras de combustível na região de Campinas. Quatro investigados foram presos. Um não estava no local de busca e está sendo procurado. O principal alvo da investigação é um auditor fiscal que teria recebido até viagem para a Disney com a família.
Em nota, a PF informou que está cumprindo seis mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão nas cidades de Campinas e São Paulo. Todos os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Campinas.
Esta fase da investigação teve início com a análise do material apreendido na primeira fase, quando policiais federais encontraram indícios de que os investigados teriam um esquema envolvendo corrupção de um agente público, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, que inicialmente não havia sido detectado.
A primeira fase da operação Rosa dos Ventos foi deflagrada há um ano, em 15 de agosto de 2017, após fiscalização da Receita constatar sonegação fiscal em uma distribuidora de combustíveis de Paulínia/SP. Foram investigados, naquele inquérito policial, crimes contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro e falsificação de títulos públicos.
Levantamentos feitos na investigação apontaram um prejuízo de R$ 5 bilhões em impostos sonegados e multas que deixaram de ser pagas pelos investigados e suas empresas, conforme créditos tributários constituídos definitivamente em tributos federais e estaduais.
Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e crimes contra a ordem tributária, penas de 2 a 12 anos de prisão e multa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia