Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

Alterada em 08/08 às 11h42min

Municipários voltam a protestar e fazem caminhada na Capital

Servidores fizeram uma caminhada saindo do Paço Municipal até a Câmara de Vereadores

Servidores fizeram uma caminhada saindo do Paço Municipal até a Câmara de Vereadores


EPTC/Divulgação/JC
Depois de protesto que durou quase dez horas no prédio da prefeitura de Porto Alegre, os municipários da Capital seguem a agenda de mobilizações nesta quarta-feira (8). No fim da manhã, a categoria voltou a protestar em uma caminhada que saiu do Paço Municipal até a Câmara de Vereadores.
O itinerário seguiu pelas avenida Borges de Medeiros e Loureiro da Silva, até a chegada à Câmara. O trânsito foi bloqueado nas vias para da passagem dos manifestantes e do carro de som. 
Em nota divulgada nesta quarta, o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) citou despacho do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que reafirma o direito de greve da categoria e e considera como serviços essenciais "[…] assistência médica e hospitalar; comercialização e distribuição de medicamentos e alimentos; abastecimento de água; saneamento; e captação de tratamento de esgoto e lixo", com percentual de 50% dos servidores. Em relação aos demais serviços não essenciais, a garantia de 30% de servidores. De acordo com o Simpa, a decisão ainda proíbe o corte de ponto dos servidores em greve e autoriza o registro de ponto dos servidores que estejam exercendo atividades nos percentuais determinados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia