Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 21 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

20/07/2018 - 12h43min. Alterada em 21/07 às 21h52min

Ampliação do Clínicas chega a 87% com incerteza sobre verbas para equipamentos e pessoal

Execução da obra atingiu 87% e entra agora em fase final, que inclui os acabamentos

Execução da obra atingiu 87% e entra agora em fase final, que inclui os acabamentos


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Bruna Oliveira
A conclusão até dezembro deste ano da ampliação do Hospital de Clínicas de Porto Alegre será viabilizada com a verba de R$ 59,28 milhões do Ministério da Educação (MEC), anunciada nesta sexta-feira (20) durante visita de dois ministros - Rossieli Soares (Educação) e Eliseu Padilha (Casa Civil) - ao canteiro de obras. A execução da nova estrutura atingiu 87% e entra agora em fase final, que inclui os acabamentos. A abertura do espaço ao público, no entanto, segue sem previsão.
O recurso anunciado garante o término da construção dos espaços físicos dos anexos I e II. O funcionamento do complexo ainda depende de um segundo passo, que envolve cerca de R$ 130 milhões para a compra de equipamentos.
Para agilizar os passos seguintes, Soares sugeriu a criação de um Grupo de Trabalho para definição de novas diretrizes. Entre elas, a liberação do dinheiro que falta para a operação plena e a contratação de novos funcionários. "O ministério da Educação trabalha para ainda este ano fazer um repasse para as primeiras compras de equipamento e conversa com o Hospital de Clínicas para tratar da contratação de pessoal", afirmou o ministro.
O ministro da Casa Civil afirmou que uma emenda de bancada federal gaúcha no Congresso Nacional seria a solução para assegurar a abertura do hospital ainda em 2019. "O HCPA ganha a dimensão de ser o maior hospital universitário do Brasil. Nada mais justo do que a bancada do Rio Grande do Sul apoiando uma iniciativa que é para todo o povo gaúcho", disse Padilha.
A diretora-presidente do HCPA, Nadine Clausell, explica que, inicialmente, será realocada parte da estrutura já existente no hospital para a utilização do novo complexo. A previsão é de no primeiro semestre de 2019 a nova emergência possa ser ocupada com os equipamentos já existentes. A estrutura recém erguida vai representar um aumento de 70% da área física do HCPA.
De acordo com o secretário municipal da Saúde, Erno Harzheim, 40% das internações em Porto Alegre são para pacientes do interior do Rio Grande do Sul, o que corresponde a 60% do gasto financeiro. Juntamente com a previsão de funcionamento do Hospital Santa Ana, no fim do ano, a ampliação do HCPA equilibraria o atendimento da demanda gaúcha, avalia Harzheim.
Com o novo espaço, a área de emergência do hospital será ampliada de 1,7 mil metros quadrados para mais de cinco mil metros quadrados. Já o Centro de Tratamento Intensivo (CTI) vai ampliar o número de leitos de 54 para 110. Outras estruturas ainda incluem espaço para eventos, como auditório, e estacionamento para 722 vagas. 
O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, acompanhou a visita e comemorou a liberação de mais recursos, citando o impacto positivo da estrutura para a Capital. "Dentro das limitações da prefeitura, conseguimos através desta parceria ampliar o atendimento para Porto Alegre e para o Rio Grande do Sul", destacou Marchezan. Os ganhos para a saúde pública também foram lembrados pelo reitor da Universidade Federal do Grande do Sul (Ufrgs), Rui Vicente Oppermann, frisando que o empreendimento é de grande importância também para o ensino e a pesquisa médica no Estado, com a expectativa de se tornar referência nacional. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia