Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de julho de 2018.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

09/07/2018 - 10h50min. Alterada em 09/07 às 11h41min

Consultório odontológico é interditado por falta de higiene em Porto Alegre

Local já havia sido notificado outras vezes pelas condições precárias e por oferecer risco aos pacientes

Local já havia sido notificado outras vezes pelas condições precárias e por oferecer risco aos pacientes


Polícia Civil /Divulgação/JC
Bruna Oliveira
Um consultório odontológico foi interditado na manhã desta segunda-feira (9), em Porto Alegre, por não oferecer condições mínimas de higiene. O local fica em prédio da rua Marechal Floriano Peixoto (número 72, 2° andar), no Centro Histórico da Capital, e já havia sido notificado outras vezes pelo mesmo motivo.
Mesmo após as notificações, o consultório não se adequou às normas sanitárias e por isso foi fechado hoje em ação conjunta da Polícia Civil do Estado com a Vigilância em Saúde Municipal e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do município. Entre as irregularidades foi apurada a ausência de pia para higienização das mãos, além de condições precárias gerais de higiene que podem acarretar em riscos à saúde dos pacientes, como a contração de doenças infecto-contagiosas.
O dentista e proprietário do local foi levado para a Delegacia Especializada na Defesa do Consumidor, que instaurou inquérito policial para apurar o caso. De acordo com o delegado Rafael Liedtke, da Decon/Deic, o profissional poderá ser indiciado por crime contra relações do consumo. A pena pode ser de até cinco anos de detenção.
Liedtke frisou a importância dos consumidores de denunciarem quando souberem de práticas irregulares que coloquem em risco a saúde da população, para que os órgãos públicos possam fiscalizar e notificar os estabelecimentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia