Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de junho de 2018.
Dia do Ministério Público Estadual.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

Notícia da edição impressa de 28/06/2018. Alterada em 27/06 às 21h54min

Escolas estaduais terão R$ 53,3 milhões para reformas

Isabella Sander
Trezentas e quarenta e nove escolas estaduais gaúchas receberão, nos próximos dias, R$ 53,3 milhões para investir em reformas e ampliações. Os recursos serão entregues diretamente às instituições, para que façam suas próprias licitações, através do processo de autonomia financeira.
O montante é proveniente de financiamento do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird) e de valores oriundos do salário-educação. Esta é a terceira edição do programa de autonomia das escolas, que, somadas às 349 escolas atendidas agora, já solucionou 1.002 demandas, em um valor total de R$ 134 milhões.
O novo repasse já trabalha com a ampliação do limite do custo das obras feitas com a autonomia financeira, que passou de R$ 150 mil para R$ 330 mil. O secretário estadual de Educação, Ronald Krummenauer, estima que praticamente todos os municípios gaúchos já tiveram ou terão, agora, obras com o modelo de autonomia financeira.
Os critérios para escolha dos contemplados, assegura o secretário, foram absolutamente técnicos. "A grande maioria das obras é em redes elétricas, mas também atendemos aos apontamentos do Ministério Público, reclamações da própria comunidade escolar, a elaboração de processos de Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI) e o que é definido pelo Comitê de Obras dentro da secretaria", relata.
Quase todas as escolas têm algum problema na rede elétrica. Por isso, a Secretaria Estadual de Educação firmou parceria com 11 universidades, cujos alunos dos cursos de Engenharia Elétrica ficam responsáveis por fazer projetos para as obras, sob supervisão de um professor e um engenheiro eletricista do quadro de servidores do Estado. Alguns desses projetos já estão sendo implementados.
A quantidade de projetos já elaborados e em elaboração é prometida ainda para o primeiro semestre. Para viabilizar o modus operandi, o governador José Ivo Sartori autorizou a nomeação de 12 engenheiros eletricistas e oito engenheiros civis para fazer o acompanhamento dos estudantes.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia