Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 27/06/2018. Alterada em 26/06 às 21h56min

Surto de toxoplasmose pode ter sido causado por água e hortaliça contaminadas

O surto de toxoplasmose que atinge a cidade gaúcha de Santa Maria provavelmente é provocado pela água de torneira e pelo consumo de hortaliças, de acordo com um estudo realizado pela equipe de investigação do Ministério da Saúde e apresentado ontem às autoridades locais.

Há, ainda, a possibilidade de haver contaminação cruzada (hortaliças serem irrigadas por água contaminada), o que determinaria os próximos passos das investigações. "O trabalho, agora, fica concentrado nesses dois elementos", afirmou o superintendente de Vigilância de Santa Maria, Alexandre Streb.

Embora os resultados ainda sejam inconclusivos, eles permitem concentrar esforços na investigação, diz Streb. "Algumas causas que ainda estavam sendo analisadas já estão descartadas. Como carne, linguiças e queijos. Agora, os esforços de trabalho ficarão concentrados nesses dois elementos", completou.

Na segunda-feira, começou a ser feita, pela Corsan - companhia de água da cidade -, a limpeza de 25 reservatórios ativos. Foram ainda coletadas pelas vigilâncias local e estadual amostras do lodo depositado no fundo do reservatório para análise. Enquanto isso, autoridades recomendam que a população continue bebendo apenas água fervida.

O surto de toxoplasmose, uma doença provocada por um protozoário, é o maior já registrado no País. Até a semana passada, tinham sido confirmados 569 casos em laboratório, dos quais 50 em gestantes e sete em bebês que contraíram a infecção no útero materno. Também foram confirmados dois abortos e três óbitos fetais (com mais de 20 semanas de gestação). Estão ainda em investigação 312 registros. Entre eles, 145 em gestantes, 17 em bebês com suspeita de toxoplasmose congênita e um aborto.

Os primeiros casos começaram a ser notados por médicos em fevereiro, mas somente em abril o sinal de alerta foi dado para autoridades sanitárias. Desde então, uma força-tarefa foi montada para identificar o que levou à explosão do número de casos. A água sempre foi apontada como a principal suspeita de fonte de infecção. Isso porque casos ocorreram em várias partes da cidade, de forma simultânea.

Na semana passada, o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, havia afirmado que a contaminação era provocada pela água. Horas depois, no entanto, a pasta recuou. Em nota, informou que essa era apenas uma hipótese.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia