Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Trajetória

Notícia da edição impressa de 05/07/2018. Alterada em 05/07 às 01h00min

Após 62 anos de trabalho, seu João se despede do JC

João da Rosa Soares, de 82 anos, passou por todas as áreas do jornal

João da Rosa Soares, de 82 anos, passou por todas as áreas do jornal


/MARCELO G. RIBEIRO/JC

No dia 20 de junho, pela última vez, João da Rosa Soares, 82 anos, se arrumou para ir trabalhar para o Jornal do Comércio. Ele dava expediente no Palácio do Comércio, no Centro Histórico da Capital. Era hora de dar adeus ao JC, a pedido da esposa, depois de 62 anos ininterruptos de trabalho.

"Por mim, continuava trabalhando. Minha meta era trabalhar até os 90 (anos)", revela. Era o funcionário mais antigo do jornal.

A atividade começou quando tinha 19 anos, em 15 de fevereiro de 1956, ainda no Consultor do Comércio, nome do jornal antes de se tornar Jornal do Comércio, o que aconteceu em 1 de outubro daquele ano. "Entrei no tempo em que se fazia tudo", recorda. Atuou em todos os setores do jornal: distribuição, impressão, comercial, administrativo e redação.

Desde aquela época, um dos compromissos no JC era fazer o boletim da bolsa de valores. Seu João batia as informações no mimeógrafo e distribuía o boletim no terraço no Palácio do Comércio, no Largo Visconde do Cairu. "Era meu lado jornalístico", comenta. É nesse mesmo endereço que exerceu sua última função, no escritório onde fica o arquivo com os jornais publicados nos 85 anos de atividade ininterrupta do JC.

Em 62 anos de trabalho, seu João passou por 20 presidentes da República, uma ditadura militar, a redemocratização e três Constituições Federais. Mesmo não sendo jornalista, sua vida, a existência do JC e a história do Brasil se misturaram em seu cotidiano. Foi um dos poucos funcionários que trabalhou ao lado do fundador do jornal, Jenor Cardoso Jarros. "Ele era um pai para os funcionários. Tinha uma equipe jovem, que foi aprendendo a profissão", lembra.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia