Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de junho de 2018.
Dia do Cinema Brasileiro.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 19/06 às 09h23min

Lei que regula transferência de servidor de ex-territórios para União é sancionada

O presidente Michel Temer (MDB) sancionou com vetos a lei que autoriza a transferência de servidores dos ex-territórios de Roraima, Amapá e Rondônia para os quadros da União. A lei, publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (19) disciplina emendas constitucionais que tratam do tema e resulta da aprovação de projeto de conversão da Medida Provisória 817/2018.
Além de regulamentar as emendas constitucionais, a nova lei amplia o rol dos servidores que podem pedir mudança para a estrutura federal, incluindo integrantes da carreira policial militar, servidores municipais e empregados de estatais.
No entanto, o presidente vetou trechos de quatro artigos do projeto de conversão da MP, o que inviabiliza a transferência de alguns profissionais previstos na proposta. Ficaram de fora do enquadramento, por exemplo, os policiais militares, os servidores e os empregados da administração direta e indireta que tenham sido admitidos regularmente nos quadros de Rondônia até a data de posse do primeiro governador eleito, em 15 de março de 1987. Também não foram alcançados pela lei os servidores da Secretaria de Segurança Pública do Amapá que tiveram o provimento dos cargos em agosto de 1993.
Para justificar os vetos, o governo alegou que os dispositivos aumentam o número de servidores que poderiam migrar para os quadros da União, e isso representaria elevação de custo ao Tesouro Nacional, "indo de encontro ao esforço fiscal empreendido no País". O Planalto argumentou ainda que os trechos vetados também não traziam previsão na Lei Orçamentária para recepção do impacto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia