Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 09 de junho de 2018.
Dia do Porteiro. Dia do Tenista.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Assistência social

09/06/2018 - 15h47min. Alterada em 09/06 às 18h55min

Asilo Padre Cacique pede socorro

Asilo Padre Cacique mantém 128 velhinhos e precisa de doações de itens básicos e dinheiro

Asilo Padre Cacique mantém 128 velhinhos e precisa de doações de itens básicos e dinheiro


MARCOS NAGELSTEIN/JC
Sofia Schuck
Um dos asilos mais populares do Rio Grande do Sul está pedindo socorro. Não é exagero. O Asilo Padre Cacique, que fica em Porto Alegre e é uma instituição sem fins lucrativos, precisa urgentemente de doações de produtos essenciais e recursos financeiros para se manter e continuar a atender seus 128 moradores. 
A instituição opera hoje com déficit mensal de R$ 500 mil, segundo sua assessoria, e que só aumentou com escassez de recursos no ano passado. A situação é considerada uma das mais graves dos quase 120 anos de sua história. Esta dificuldade vem sendo provocada pela crescente queda das doações verificada desde o início de 2017. A ajuda da população e de empresas cobre 70% do suprimento de alimentos e demais itens, como fraldas.
Os administradores apontam que, se o quadro continuar a se agravar, o funcionamento da casa estará comprometido. Para piorar a situação, a greve dos caminhoneiros afetou o fluxo de doação de alimentos, que caiu ainda mais em maio. 
O principal motivo da queda nas doações seria a falta de informação sobre as formas que as pessoas podem colaborar. Parte dessa desinformação é gerada pelos cortes em campanhas de divulgação na última gestão. Também a crise econômica reduz as possibilidades de a população em geral contribuir com dinheiro ou mesmo materiais.
O gasto mensal por idoso é estimado em R$ 4,1 mil, sem contar outros custos para gerir o asilo. “A nova gestão está tentando recuperar a parte financeira que ficou no vermelho devido à redução nas doações. Temos um alto custo com funcionários, energia, água e manutenção do local”, explicou o assessor Murilo Mauss.

Os itens mais demandados pelo asilo:

  • Café
  • Medicamentos básicos (dipirona, paracetamol, omeprazol)
  • Fraldas
  • Enxaguante bucal
  • Sabão em pó
  • Água sanitária
  • Sabonete líquido
  • Amaciante de roupa
  • Esponjas para banho
  • Aparelhos de barbear
  • Shampoo
  • Condicionador
  • Hidratantes

Como doar?

  • Entrega das doações: na sede da instituição, na avenida Padre Cacique, 1.178, em Porto Alegre (quase em frente ao Estádio Beira-Rio). Telefone: (51) 32233-7571.
  • Horários para levar doações: segunda a sexta-feira, das 7h às 20h.
  • Contribuições em dinheiro: podem ser feitas pelo site ou depósito bancário no valor mínimo de R$5,00. No site, há todas as orientações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia