Isadora Jacoby

Três especialistas dão dicas de como fazer esse balanço e finalizar o ano de forma satisfatória

Segundo semestre: ainda dá tempo de atingir as metas do ano?

Isadora Jacoby

Três especialistas dão dicas de como fazer esse balanço e finalizar o ano de forma satisfatória

O início do segundo semestre é um momento de reflexão sobre as metas elaboradas no início do ano. Se em janeiro, comumente, se faz uma lista do que se deseja alcançar e atingir no negócio quando dezembro chegar, julho marca o momento de analisar novamente esses objetivos, rever as estratégias, e decidir se continuar remando no mesmo sentido é o caminho certo. Se a decisão for mudar a rota, é preciso atenção para tomar decisões assertivas que não comprometam o negócio. Para isso, conversamos com três especialistas que compartilharam dicas de como fazer esse balanço e finalizar o ano de forma satisfatória. 

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

O início do segundo semestre é um momento de reflexão sobre as metas elaboradas no início do ano. Se em janeiro, comumente, se faz uma lista do que se deseja alcançar e atingir no negócio quando dezembro chegar, julho marca o momento de analisar novamente esses objetivos, rever as estratégias, e decidir se continuar remando no mesmo sentido é o caminho certo. Se a decisão for mudar a rota, é preciso atenção para tomar decisões assertivas que não comprometam o negócio. Para isso, conversamos com três especialistas que compartilharam dicas de como fazer esse balanço e finalizar o ano de forma satisfatória. 

Finanças: como fechar o ciclo com o caixa em dia

O aspecto financeiro é um dos mais relevantes quando o assunto é meta anual. Crescer duas, três, quatro vezes mais, ou não regredir frente às adversidades, está entre os objetivos principais de quem empreende. Saulo Morschel, analista de Soluções em Finanças do Sebrae-RS, destaca que o primeiro passo para conseguir terminar 2021 em dia é rever o planejamento financeiro feito até aqui. 
"É preciso ver qual a situação do negócio hoje, levantar tudo que se tem de compromissos, contas a pagar, todas as responsabilidades assumidas até o fim do ano, e também o que tem para receber", pontua o especialista. Segundo ele, principalmente no interior do Estado, a modalidade de crediário voltou muito no cenário na pandemia. Nesse caso, e no de empreendedores que flexibilizam e adotam outras formas de pagamento, é preciso mensurar o que ainda está por vir para conseguir planejar os próximos meses do negócio. 
A pandemia, destaca o especialista, evidenciou a necessidade de uma constante revisão dos custos do negócio. "No cenário de incerteza que estamos vivendo, tem que ter metas a longo prazo e saber quais ações precisa fazer para chegar lá, mas também, até para não frustrar, é preciso fazer um recorte menor. Definir meta quinzenal, metas por mês, e fazer um acompanhamento muito próximo. Não esperar passar seis meses para descobrir se atingiu ou não o objetivo", indica Saulo, que acredita que a chave para manter um empreendimento saudável é realmente conhecê-lo. "Tudo parte de uma organização, controle e planejamento. É preciso conhecer com profundidade o negócio e saber até onde se tem fôlego para sustentar a empresa", diz. 
No entanto, não é só quem está distante de cumprir as metas traçadas que deve fazer essa reavaliação. Quem chegou a julho superando as expectativas também deve rever o planejamento para conseguir manter os bons resultados até o fim do ano. "Ter um crescimento não esperado acaba surpreendendo positivamente, mas para que ele possa ser sustentável na ótica financeira é necessária muita gestão e controle. Ter processos e uma rotina de acompanhamento de resultados é essencial para que esse crescimento se mantenha", afirma o especialista, destacando a importância de separar as despesas pessoais do planejamento financeiro da empresa. "Muitas vezes, ouvimos dos empreendedores que não conseguem tirar nada do negócio, que só investem. Quando avaliamos mais a fundo, percebemos que as despesas pessoais estão sendo suportadas pela empresa. Definir o pró-labore e o que é recurso para reinvestir no negócio é muito importante", orienta. 
Checklist para não ficar no vermelho:
1. Revisar metas do início do ano e definir objetivos a curto prazo
2. Planejamento financeiro: saber o que está comprometido e o que deve receber
3. Revisão de custos

Motivação ajuda a concretizar planos

Não esmorecer no caminho até atingir um objetivo é um dos principais desafios vividos por quem empreende. No último ano, com pouca previsibilidade, essa sensação cresceu. Para Angélica Dalla Rosa, coach de carreira, o momento trouxe, ainda mais, a necessidade de olhar para o todo e, assim, ter metas que caibam no contexto. "Principalmente nesse momento em que muitos setores foram afetados pela pandemia, e é bom lembrarmos que ainda estamos em pandemia, é importante o empreendedor parar e olhar para o todo, quais setores devem ter queda, quais crescerão. Não só do setor da sua empresa, mas dos clientes também, porque isso vai impactar diretamente no negócio", pontua Angélica, destacando que essa análise deve ser frequente. "Pelo menos a cada três meses, é importante parar e rever o negócio, observar o cenário macroeconômico do País, para saber se está investindo em algo com potencial", explica. 
O momento de revisão marcado pelo início do segundo semestre pode provocar angústia em quem ainda se sente longe de atingir os objetivos traçados no início do ano. É preciso, garante Angélica, encarar as metas como agentes de motivação para a rotina. "As metas têm muito mais um papel positivo que negativo. O que precisamos ter muito cuidado, em termos mais emocionais e de motivação, é colocar metas que sejam relevantes e realistas. Não adianta querer ter um faturamento 20 vezes maior que o atual, sendo que a empresa não vai conseguir crescer tanto nesse período. O que não dá é para abrir mão de ter uma meta, ter um prazo, porque isso vai nortear o seu dia a dia. Todas as ações diárias precisam estar focadas nessa meta", orienta Angélica. 
Quem não atingiu os objetivos propostos para o primeiro semestre deve reavaliar se é pertinente mantê-los para o fim do ano e entender por que não aconteceu. Identificar o que faz parte do esforço de quem empreende e o que está relacionado ao contexto externo do negócio é muito importante, segundo a especialista, para encarar os desafios de empreender. Angélica indica, inclusive, ter diferentes tipos de metas. A ouro é a mais importante e desafiadora, mas que, com esforço, é possível de ser alcançada. A meta prata é intermediária, e que, se realizada, traria grande satisfação para o empreendedor. O terceiro tipo de meta é a bronze, que depende somente do esforço pessoal. "Quando trabalhamos com esses três tipos, apesar de parecer que tem muitos dados para mensurar, acaba facilitando", aconselha. Apesar das estratégias, Angélica acredita que o mais importante é que quem empreende esteja feliz.
 

Ainda dá tempo de virar o jogo no marketing

Se a busca por um número de seguidores é a grande estratégia de marketing de seu negócio, pode aproveitar o momento de revisão para deixar de lado. O especialista em marketing digital e professor da ESPM, João Finamor, acredita que é importante valorizar o público, mesmo que o número não seja tão expressivo. "O pessoal tem que desmistificar essa questão do número astronômico. Vejo muito empreendedor reclamando que fez, por exemplo, uma live shop só com 15 pessoas assistindo e achando horrível. Não foi horrível, 15 pessoas é uma sala cheia", interpreta o especialista.
Para fazer o balanço de meio de ano, João indica que se identifique se as estratégias ainda fazem sentido e se trouxeram os resultados esperados. "Uma coisa importante, já no meio do ano, é ver se as estratégias geraram um tráfego qualificado, seja no WhatsApp, no site ou onde for o canal final", explica. Caso tenha bastante tráfego, mas isso não resulte em aumento de vendas, é necessário entender por que o cliente não está fechando a compra. "Ainda dá tempo de corrigir, o importante é não ficar na estagnação ou culpar algoritmo", acredita. 
O balanço de estratégias de marketing digital, orienta João, deve ser feito de duas formas. O mensal é diretamente relacionado às estratégias de redes, mensurando número de seguidores, taxa de engajamento, alcance de publicações e retorno de vendas. "E trimestralmente pode fazer uma revisão macro, analisando todos os canais, o retorno sobre o investimento, uma avaliação de fechamento", explica, destacando que é preciso ter metas possíveis. Para o segundo semestre, o especialista dá dois conselhos: um para executar agora e outro para colocar no planejamento. "Agora, produza conteúdo em vídeo rápido. Mais adiante, invista em canais digitais que estão se destacando, como a Twitch."
Checklist de marketing para o segundo semestre:
1. Investir em anúncio agora, antes de novembro e dezembro, para quando chegar a Black Friday e o Natal já estar com um resultado interessante.
2. Parar de ser panfleteiro digital, que é quem fica só postando produtos nas suas redes e não gera nenhum relacionamento.
3. Ter os dados corretos dos clientes, um bom cadastro, e investir em uma ferramenta de CRM ou em uma boa planilha de Excel vai dar muito resultado.
Isadora Jacoby

Isadora Jacoby - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Isadora Jacoby

Isadora Jacoby - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário