Isadora Jacoby

Bianca Lima conquistou a primeira colocação na etapa brasileira do World Class

Bartender do Wills, bar de Porto Alegre, é eleita a melhor do Brasil

Isadora Jacoby

Bianca Lima conquistou a primeira colocação na etapa brasileira do World Class

"É como se fosse o Oscar da coquetelaria. É o maior campeonato de bartenders do mundo", define Bianca Lima, 26 anos, sobre a competição cujo primeiro lugar foi arrematado por ela neste semana. Head bartender do Wills, bar que opera na avenida Nova York, em Porto Alegre, Bianca conquistou o título em uma disputa que reuniu 147 bartenders de todo o País. Agora, ela será a representante brasileira na etapa mundial do campeonato promovido pela Diageo, grupo referência em destilados premium responsável por marcas como Johnnie Walker, Tanqueray, Guiness, entre outras. 

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

"É como se fosse o Oscar da coquetelaria. É o maior campeonato de bartenders do mundo", define Bianca Lima, 26 anos, sobre a competição cujo primeiro lugar foi arrematado por ela neste semana. Head bartender do Wills, bar que opera na avenida Nova York, em Porto Alegre, Bianca conquistou o título em uma disputa que reuniu 147 bartenders de todo o País. Agora, ela será a representante brasileira na etapa mundial do campeonato promovido pela Diageo, grupo referência em destilados premium responsável por marcas como Johnnie Walker, Tanqueray, Guiness, entre outras. 
A final da competição aconteceu nesta segunda-feira (26). Em sua primeira participação, Bianca conquistou a premiação preparando drinks inspirados em personagens do folclore brasileiro, como curupira, saci, boitatá. "É um campeonato que busca mais que o melhor coquetel,  busca o melhor bartender. A minha inspiração foi o folclore brasileiro, que é a nossa cultura, nossa maior riqueza. O que apresentei para os jurados foi o Andarilho da Floresta, que é inspirado no curupira, relacionando essa história com a de Johnnie Walker, que é um andarilho que desbravou o mundo para propagar a história do seu whisky", explica Bianca. 
Dos 147 participantes da competição, apenas quatro eram mulheres. Bianca acredita que ter vencido a etapa nacional pode servir de inspiração para outras mulheres que desejem seguir uma carreira similar a dela. "Esse universo para as mulheres é um pouco rude ainda, difícil, mas muitas trabalharam antes de mim, e eu vou continuar trabalhando para que sejamos respeitadas e reconhecidas dentro e fora do bar", afirma Bianca, que conta ser um feito ter atingido a primeira colação em sua estreia. "O World Class é conhecido como um campeonato que ninguém ganha de primeira. E foi a primeira vez que participei e consegui ganhar. Isso representa muito do trabalho das mulheres dentro do bar. Sempre conheci pessoas incríveis nos campeonatos e a visibilidade é muito legal. Quero ver a galera do Sul competindo e se destacando para a gente voltar os olhos do Brasil para o nosso lugar, que é incrível", deseja a bartender. 
ARQUIVO PESSOAL/ DIVULGAÇÃO/ JC
Há três meses, ela deixou São Paulo e se mudou para Porto Alegre para comandar o bar do Wills. Para Pedro Venzon, sócio da operação, a premiação de Bianca é um importante passo para fomentar o segmento na Capital. "A partir dessa premiação e com sua presença aqui em Porto Alegre, acreditamos no potencial que ela pode, junto com outros nomes da cena, tornar a Capital um novo grande polo de coquetelaria. Temos certeza que vamos chamar a atenção do mercado e despertar ainda mais investimentos em bares e restaurantes. Isso será importante para a capacitação dos bartenders que já atuam em Porto Alegre e será um processo essencial para o desenvolvimento ainda mais rápido da profissão. No final, é uma conquista de todo o estado do Rio Grande do Sul, porque todos no segmento têm a ganhar com esse reconhecimento", considera Pedro. 
Isadora Jacoby

Isadora Jacoby - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor
Isadora Jacoby

Isadora Jacoby - repórter do GeraçãoE

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário