Mauro Belo Schneider Vitorya Paulo

De convenções digitais a sites que tornam os imóveis mais baratos, conheça projetos criados no Rio Grande do Sul para o segmento

Criatividade no setor imobiliário garante bons resultados em meio à pandemia

Mauro Belo Schneider Vitorya Paulo

De convenções digitais a sites que tornam os imóveis mais baratos, conheça projetos criados no Rio Grande do Sul para o segmento

Com as pessoas passando mais tempo em casa, o mercado imobiliário percebe um aumento na procura por imóveis espaçosos. Grande parte dos profissionais estão tendo de dividir a área de convívio das residências com ambientes de home office. A pandemia, portanto, tem imposto um ritmo acelerado - e mais digitalizado - de trabalho para quem atua no setor.

Ops! Este conteúdo é exclusivo para assinantes...

Com as pessoas passando mais tempo em casa, o mercado imobiliário percebe um aumento na procura por imóveis espaçosos. Grande parte dos profissionais estão tendo de dividir a área de convívio das residências com ambientes de home office. A pandemia, portanto, tem imposto um ritmo acelerado - e mais digitalizado - de trabalho para quem atua no setor.
A 2day Consultoria, empresa especializada em lançamentos imobiliários e gestão comercial de estoques, com sede em Porto Alegre, tem fechado novos contratos com empreendedores do segmento da construção civil e de vendas de imóveis finais. Em junho, somou 15 clientes, 31 projetos em 13 cidades diferentes do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, com incremento no faturamento de 35% no acumulado do ano. Para este mês, está projetada a abertura de duas posições na equipe.
"O consumidor está mudando, morar bem passou a ser prioridade. Quem tinha um apartamento pequeno, talvez, migre para um maior e faça um home office. Muitos passaram a olhar o seu lar de outra forma, buscando mais conforto, uma sacada, varanda, pátio", descreve a sócia da 2day, Patrícia Longhi. Outro fator que ajuda, segundo ela, é a tendência de "créditos imobiliários com baixa de juros".
E a própria empreendedora vê esse cenário se refletindo em sua vida. A intenção, na 2day, antes da pandemia, era ter uma sede física maior. Os planos, agora, são outros. "Já desistimos disso. Mesmo com o incremento da equipe, iremos manter, e talvez para sempre, o rodízio de home office. Adoramos o formato, nossa equipe não perdeu produtividade e tudo está muito bem assim", interpreta.
Operando há 11 anos, a 2day aproveitou o momento para reinventar processos também. Recentemente, foi realizada uma convenção de vendas digital para zerar o estoque da construtora Porto 5, de Pelotas. "Vendemos 700 unidades em 15 dias com lançamento virtual", afirma Patrícia.
E as novidades impostas por essa mudança que a sociedade vive, de acordo com a executiva, não devem se limitar a quem opera no setor. Pelo contrário, chegarão aos consumidores. "Os imóveis, no Brasil, evoluíram muito pouco se compararmos com o mercado de veículos. Se você compara um carro de luxo dos anos 1980 com um carro de luxo hoje, observa inúmeros itens de série e muita mudança. O mesmo não ocorre na mesma proporção no mercado residencial."

Plataforma digitaliza serviços de corretores e de pequenas imobiliárias

Com as tradicionais imobiliárias fechadas para manter o isolamento social e frear a disseminação da Covid-19, os sócios da startup gaúcha Meualu, focada no mercado imobiliário, perceberam uma possibilidade de ajudar pequenas e médias empresas e corretores autônomos. A nova empreitada é o Juntos.meualu, iniciativa que visa incentivar profissionais a levarem negócios para o ambiente digital de forma gratuita.
Por meio da ferramenta, explica o CEO da startup, Jonatha Baptista, 27, qualquer profissional do mercado imobiliário pode criar sua própria plataforma para oferecer um serviço on-line para os clientes. "Durante a pandemia, vimos uma necessidade dos profissionais de ponta de se reinventarem e uma dificuldade muito grande de fazerem isso por não terem recursos e acesso", avalia. O Juntos, para ele, é uma forma de democratizar a tecnologia criada pela startup em 2017 ao lado dos sócios Vinícius Stiborski, 28, e Josefer Baptista, 22. Atualmente, também faz parte da empreitada Bruno Thomasi, 30. "Nascemos num modelo bem semelhante à Quinto Andar, mesmo antes de eles operarem aqui em Porto Alegre", lembra.
Por meio da plataforma, é possível criar um site próprio usando a mesma tecnologia que a startup aplica em seu negócio e em de seus parceiros, podendo anunciar e divulgar imóveis. No site, a empresa ou profissional poderão disponibilizá-los numa vitrine virtual, fazendo com que os clientes agendem visitas, on-line ou presenciais, enviem propostas, anexem documentos e até mesmo assinem os contratos eletronicamente.
"Acompanhamos até a fase do contrato. Por isso, no Juntos, liberamos a compra e venda. O Meualu só trabalha com locação", esclarece o CEO.
A ferramenta conta, ainda, com um chat integrado ao WhatsApp e fornece um sistema de backoffice automatizado com gestor de tarefas para que todo o processo seja acompanhado virtualmente pelo profissional. Jonatha destaca o fato do acesso à plataforma e uso de todas as ferramentas do Juntos.meualu serem gratuitos, algo que ele considera inédito no mercado.
O Juntos.meualu pode ser usado para ofertar qualquer tipo de imóvel, tanto para locação quanto para compra e venda. Para participar, é necessário ter cadastro no Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) ativo.
Conforme opina o CEO, a tendência é que o mercado imobiliário continue migrando para o ambiente digital. "A pandemia acelerou algumas coisas. O cliente exige essas reformas", entende Jonatha. Desde 2018, ao lado dos parceiros, a Meualu congregou cerca de 1 mil imóveis de forma digital. A expectativa, na plataforma Juntos, é que se tenha de 3 mil a 5 mil profissionais cadastrados.
 

Menos comissão para corretores, mais descontos ao público

Uma plataforma 100% digital, lançada em Porto Alegre em março, promete a compra de imóveis direto de construtoras com preços mais baratos. Isso porque a Nethomes elimina 70% do valor da comissão dos corretores. A startup, fundada por Renildes Snak e Luis Henrique Stedile, aposta na independência do público na busca por imóveis hoje. "Sabemos que o cliente tem toda capacidade de escolher o seu futuro imóvel. Desenvolvemos as duas últimas etapas que faltavam: a ligação direta entre o cliente, a construtora e a tecnologia, deixando o cliente no controle de fazer o que quiser e para que ele monte a proposta mais vantajosa. Somos justos e transparentes na conduta, diretos e objetivos na comunicação", frisa Renildes, formada em Direito, com MBA em Marketing e Gestão Empresarial e especialista no Mercado Imobiliário e de Tecnologia, tendo experiências no Vale do Silício. Na entrevista, ela fala mais sobre o projeto.
Geração E - Como funciona a Nethomes?
Renildes Snak - A maioria das pessoas não sabe, mas ao fazer a compra do seu imóvel em uma imobiliária tradicional, você paga entre 4% até 10% de comissão que está embutida no valor do imóvel. Com a Nethomes, o cliente tem uma alternativa. A redução de até 70% da comissão é um pouco do que podemos oferecer, uma vez que somos uma startup e temos custos mais conscientes e melhores. Chegamos para empoderar quem realmente é o protagonista, o cliente.
GE - A redução de custo dos imóveis chega a quanto?
Renildes - Por exemplo, na compra de um imóvel com valor de R$ 1 milhão, vendido nas imobiliárias tradicionais, o cliente paga uma comissão de 6%, que representa R$ 60 mil. Se ele comprar pela Nethomes, ele deixa de pagar R$ 40 mil na transação imobiliária, uma economia considerável que representa o suficiente para trocar de carro, pagar uma bela viagem ou, ainda, mobiliar a casa.
GE - Quem poderá vender pela plataforma?
Renildes - Nasce um modelo novo de se relacionar com o cliente, que foi pensado como uma oportunidade para além dos corretores, sendo aberta a qualquer pessoa que deseje indicar a plataforma. Ao se tornar afiliado, este terá um link próprio para disparar para seu networking.
GE - Onde já está funcionando?
Renildes - Em Porto Alegre, iniciando em Santa Catarina e expandindo para São Paulo.
GE - Qual a lição de empreendedorismo do projeto?
Renildes - Se você for uma empresa disruptiva e inovadora, terá que privilegiar aspectos que não foram pensados antes e tê-las na essência do negócio, e lutar contra um "sistema" que privilegia os ganhos financeiros ao invés de pensar no cliente final.
GE - Qual o diferencial da Nethomes em relação à Quinto Andar?
Renildes - A Nethomes atua sem corretores, diferente da Quinto Andar, que ainda opera no formato tradicional.
GE - Quais as mudanças que o coronavírus provocará no segmento imobiliário?
Renildes - As pessoas estão fazendo muitas reflexões sobre o real valor das coisas e isso passa pelos imóveis. Muitas já estão pensando em ter mais espaço, trocando de apartamentos ou mesmo optando por casa para ter sua própria infraestrutura.
 

Mauro Belo Schneider Vitorya Paulo 

Receba matérias deste autor

Mauro Belo Schneider Vitorya Paulo 

Receba matérias deste autor

Deixe um comentário