Alessandra Tavares, empreendedora que faz bonecas reborn Alessandra Tavares, empreendedora que faz bonecas reborn Foto: /fotos CLAITON DORNELLES /JC

Produtos personalizados atraem clientes

De bonecas que imitam bebês a sofás do formato que consumidores querem. Para muita gente, o que define a compra é a identificação

Alessandra Tavares divide o espaço de seu salão de beleza, na avenida Brasil, na Capital, com um atelier onde pratica um hobby que define como terapêutico: a confecção de bebês reborn (do inglês, renascer). Da vitrine, é possível ver as bonecas hiper-realistas dispostas em berços e pequenas redes. A arte surgiu na vida da cegonha (como são chamadas as pessoas que fazem as bonecas) há cerca de seis anos, quando a filha, Rafaela, pediu à mãe um exemplar. "Propus a ela de eu fazer a boneca. Participei de cursos em São Paulo e aqui, que nem existe mais", recorda. Agora, conquista uma fatia de clientes que querem artigos exclusivos e personalizados.
Nesse período, ambas se dedicaram ao negócio, batizado como Rafaela Reborn (https://www.facebook.com/rafaelabebereborn). Há bebês à pronta-entrega e também os produzidos com base em feições de crianças de verdade. O trabalho é realizado em cima de vinil siliconado, importado da Alemanha. O processo consiste em banhos de tinta e idas ao forno, até chegar ao resultado. "Leva de dois a três dias trabalhando direto. Se faço aos poucos, demora uma semana ou mais", mensura Alessandra. Existem dois modelos de corpo: todo em vinil (com gênero definido e mais pesado) e o de tecido. O mesmo acontece com os cabelos naturais, de fio a fio ou perucas fixas.
CLAITON DORNELLES /JC
Quem quer um dos bebês prontos, investe de R$ 600,00 a R$ 1,6 mil. Já para ter um exemplar com as características sob medida, o desembolso parte de R$ 3,5 mil. O atelier dá desconto à vista e trabalha com parcelamento no cartão. Para a empreendedora, o custo alto é justificável.
"As pessoas não conhecem muito sobre. É uma arte. Vem entrando muitos bebês da China e pensam que é igual, mas não é", alega.
A entrada da concorrência industrial e em série no mercado diminuiu a rentabilidade do Rafaela Reborn. No passado, conseguia faturar de R$ 2 mil a R$ 3 mil mensais. "Viver só da arte não é possível", lamenta. Outra ressalva feita pela cegonha é para ter cuidado com os golpes na hora da compra. "Existem sites falsos, que não entregam os bebês", alerta.
De acordo com Alessandra, os bebês reborn, se bem cuidados, podem passar de mãe para filha. Por isso, no manual que ela entrega com o item, é recomendado que não dê banho de chuveiro, banheira, não segure ou puxe os cabelos e nem deixe o bebê próximo à fumaça de cigarro.
O kit das bonecas do atelier vem também com pente e escova de cerdas macias, certidão de nascimento (com espaço para preencher nome da mãe, madrinha, altura e peso), roupinha, bico (com imã) e mamadeira.
CLAITON DORNELLES /JC
O público do negócio, de acordo com a artesã, contempla a faixa etária dos seis aos 80 anos, diferentes classes sociais e as vendas acontecem para todo o Brasil. A cabeleireira destaca que a brincadeira estimula o instinto materno. "Recebo fotos das meninas dormindo com as bebês, da rotina deles. Fazem até festinha de aniversário, é como um filho", aponta. "Os adultos nunca compram uma só. É um sonho de consumo", acrescenta.
A cegonha se diz recompensada quando se depara com esse feedback positivo. Ela própria lembra da primeira vez em que viu uma bebê reborn. "A primeira pessoa que vi entrando no Brasil com uma boneca assim foi a Angélica. Mas, na época, não existia internet para saber", conta. Rafaela, no momento com 15 anos, tem três bebês e a adolescente cultiva o hábito de levá-los passear no shopping.

Estofaria se destaca pela exclusividade

Equipe da Leffa faz tudo conforme o gosto das pessoas Equipe da Leffa faz tudo conforme o gosto das pessoas Foto: /fotos MARCELO G. RIBEIRO/JC
Pense no sofá dos seus sonhos. Se ainda não o encontrou nas grandes lojas, a solução é mandar fazer sob medida. Um dos locais que apostou no segmento de personalização é a Leffa estofados, de Porto Alegre. A empresa produz somente peças de acordo com o que a clientela deseja. O negócio, que está há mais de 30 anos no mercado, iniciado por José Leffa, conta com 10 funcionários. "Nosso trabalho é muito específico e não temos fabricação em série. É exclusivo", ressalta o empreendedor.
No espaço, no bairro Cristo Redentor, uma frase estampa o topo de uma parede: "somos artesanais porque acreditamos na maestria da mão humana". Quando José começou, na década de 1980, existiam menos estofadores na concorrência. Atualmente, salienta, o número cresceu consideravelmente, o que torna o mercado mais competitivo. Mas o bom trabalho, garante, valoriza a empresa. "É a confiabilidade desse tipo de serviço", orgulha-se.
Segundo uma das filhas de José, Vanice, a filosofia do fundador é muito forte. "Hoje, as coisas são feitas em grande escala, com materiais mais frágeis. Não sai daqui se a gente não considera que esteja um acabamento bom", declara.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/02/27/206x137/1_mgr270219leffa_estofmnt005-8639781.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c76b1b377cf2', 'cd_midia':8639781, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/02/27/mgr270219leffa_estofmnt005-8639781.jpg', 'ds_midia': 'Geração E
Entrevista na Leffa Estofados. ', 'ds_midia_credi': 'MARCELO G. RIBEIRO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Geração E
Entrevista na Leffa Estofados. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Vanice, formada em Publicidade e Propaganda, cuida da parte comercial da Leffa. "Aqui é alta personalização mesmo. Primeiro, fazemos o atendimento, que é bem focado. Me especializei em tecidos e em acabamento. O orçamento é bem técnico", explica. Para deixar a peça, seja uma poltrona, sofá ou até mesmo uma almofada, exatamente do jeito que o cliente quer, ela diz que faz várias perguntas. "Estimulo o cliente a me mandar referências. Precisa de um briefing bem elaborado para eu passar para a produção", destaca. A irmã, Daniela, cuida de outros setores, entre eles o de Recursos Humanos e o Financeiro. Com experiência em banco e formada em Administração com ênfase em Comércio Exterior, ela está no empreendimento há 15 anos, desde que assumiu funções antes exercidas pelo pai. "Era a empresa do eu. Ele fazia desde as notas até a entrega", comenta. As duas divertem-se em contar que o pai não tinha computador e usava um fax para se comunicar. A Leffa conta com um quarto membro da família: a mãe, Nelza, que é a responsável pela costura. "Ela é a alma da empresa", elogia Vanice.
Apesar de não ser o centro da estofaria, a Leffa oferece também o serviço de reengenharia, ou popularmente falando, a reforma de estofados. "Reformamos e deixamos novo, cuidando de todos os detalhes e preservando as características originais", afirma José. Natural do Litoral Norte, o empreendedor hoje tem clientes de todo o Rio Grande do Sul. Muito devido às escolhas que dá aos consumidores.

Roupas que não se encontram por aí

Celina e Danielle, da Céu Handmade, miram o exterior Celina e Danielle, da Céu Handmade, miram o exterior Foto: /fotos CÉU HANDMADE/ DIVULGAÇÃO/JC
Celina Spolaor e Danielle Hansen administram a Céu Handmade, uma marca que customiza peças de roupas. Um espaço físico funciona no bairro Bela Vista, em Porto Alegre, e há um ponto também em São Paulo.
O negócio soma clientes em todo o Brasil e mira o exterior. "A arte manual é bem valorizada lá fora", esclarece Danielle. "Iniciamos essa fase no ano passado, mas é bem difícil. Estamos pensando em fazer feiras no exterior, buscar contatos, pessoas que sejam de fora", complementa.
A marca (@ceuhandmade) trabalha com a opção de peças prontas ou por demanda. "90% é o cliente que pede", estima ela.
Atrelada à sustentabilidade, a proposta é ajudar quem quer dar um up numa jaqueta que esteja guardada no guarda-roupas, por exemplo, ou trabalhar em cima de itens novos.
O valor é fixo em R$ 289,00 para qualquer customização. Já os produtos criados do zero para venda têm valores variados. Neste caso, entre R$ 100,00 e R$ 200,00.
A relação das meninas com o empreendedorismo é antiga. Em 2012, a publicitária Celina trabalhava em uma agência de publicidade. Ela fazia peças de roupas criativas e as personalizava. "De forma bem amadora", segundo a definição da própria, mas que caíram no gosto de quem visualizava as postagens nas redes sociais. Resultado: a atividade acabou virando coisa séria.
Três anos depois, quando participava de um curso de moda, Celina conheceu Danielle, formada em Administração de Empresas com ênfase em Comércio Exterior - agora sua sócia.
Outro diferencial é que a Céu Handmade se posiciona como a primeira empresa de customização do Brasil a trabalhar o conceito de moda e marketing juntos.
 
Compartilhe
Comentários ( 1 )
  1. Ana Cristina Guerreiro Matos Silva

    Gostaria de saber o valor de custo do bebé em euros, e também se tiver interessada como é que posso fazer a encomenda. Obrigado

Publicidade
Mostre seu Negócio