Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Galeria de imagens

Extrema-direita avança na Suécia e força negociação entre sociais-democratas e moderados

Empunhando bandeiras nacionalistas e com raízes neonazistas e antissemitas, o partido de extrema-direita Democratas Suecos (SD) obteve 17,6% dos votos na eleição do último domingo (9) e se consolidou como a terceira força política do País. O crescimento da legenda liderada por Jimmie Akesson (foto) tende a provocar turbulências para a formação do novo governo. Apesar de vencer o pleito, a coalizão social-democrata, que comanda a Suécia há décadas, recebeu 28,4% dos votos, seu pior índice em um século. O partido moderado, de centro-direita, ficou em segundo lugar, com 19,8%. Como os dois maiores blocos rejeitam coligação com o SD, o primeiro-ministro Stefan Löfven anunciou que buscará os moderados para formar o novo governo, dando fim à política de blocos que vigorava no país até a eleição de domingo.
 

FOTO JONATHAN NACKSTRAND/AFP/JC
11/09/2018 - 15h34min