Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

A cidade reencontrou o seu maior símbolo



Somente há cerca de dois anos o parque ganhou um caráter multiúso
CRÉDITO: /SECRETARIA DE AGRICULTURA RS/DIVULGAÇÃO/JC
Thiago Copetti
Ainda que o Parque de Exposições Assis Brasil tenha sido criado em 1970, durante muitas décadas a cidade de Esteio viveu, de certa forma, distante do que hoje é a maior vitrine política e econômica da cidade. Até 2013, por exemplo, o município com mais de 83 mil habitantes sequer tinha uma cadeira no conselho gestor do parque de propriedade do Estado, mas que precisa, e muito, do apoio da prefeitura para a realização da Expointer.
De acordo com o prefeito, Leonardo Pascoal, o parque foi e é importante para a história e para o desenvolvimento do município, principalmente para a região Oeste da cidade, onde fica o bairro Novo Esteio, próximo do Parque Assis Brasil. Mas a relação frequente dos moradores com essa área gigante de exposições é bem mais recente. "Durante muito tempo, de certa forma, a cidade ficou distante do local, de costas ou alheia à própria existência do parque. Isso foi decorrente das posturas de alguns governos estaduais e também de alguns governos municipais", avalia o prefeito.
Ao longo dos dois últimos anos, especialmente, os moradores realmente passaram a interagir com o local de forma mais significativa e constante. Em 2018, por exemplo, a prefeitura passou a organizar o evento batizado como Domingo nos Parques, com atividades nos parques Galvany Guedes, Jardim Planalto e ocupando também parte da área do Assis Brasil com atividades esportivas e culturais, food trucks e venda de artesanato local. Além disso, Pascoal lista o uso do parque para os festejos da Semana Farroupilha.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/21/206x137/1_20190919_dcse_atividadessemanafarroupilha_038-9144082.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f68fa7111629', 'cd_midia':9144082, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/21/20190919_dcse_atividadessemanafarroupilha_038-9144082.jpg', 'ds_midia': 'Diferentes eventos no parque tem aproximado a comunidade de Esteio do Assis Brasil, caderno 50 anos do parque', 'ds_midia_credi': 'PREFEITURA DE ESTEIO/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Diferentes eventos no parque tem aproximado a comunidade de Esteio do Assis Brasil, caderno 50 anos do parque', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}Diferentes eventos passaram a ser realizados no parque nos últimos anos, aproximando a comunidade do local. Foto: Divulgação
Os moradores também se deslocavam ao Assis Brasil para a Multifeira de Esteio, realizada nos mesmos dias da Expoleite/Fenasul no ano passado, com 100 estandes de empreendedores da cidade, exposição de carros antigos e tunados, brechó, cursos e atrações artísticas locais. A lista segue com a Oktoberfest, a Parada Livre e eventos esporádicos.
A realização da Expointer tem diferentes impactos. O principal deles, diz Pascoal, não é econômico diretamente, já que a receita tributária deixada pelo evento é semelhante às despesas que a prefeitura tem com suas responsabilidades na organização. A prefeitura arca com custos como de fiscalizações no parque e no entorno, limpeza e outros serviços e a maior parte das vendas é tributada pelos fabricantes de máquinas nas cidades-sede de cada indústria.
Diretamente, os ganhos vêm com a geração de empregos temporários. A rede hoteleira é pequena, com apenas quatro hotéis, que lotam nestes dias. E ainda há a receita gerada pela locação de residências por temporada. O maior reflexo positivo, no entanto, assegura Pascoal, é de ordem institucional, já que a Expointer e o parque levam o nome de Esteio inclusive para fora do País.


Publicado em 25/09/2020.
Comentários CORRIGIR TEXTO