Porto Alegre, sábado, 18 de setembro de 2021.
Dia Nacional da Televisão.
Porto Alegre,
sábado, 18 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Futebol Europeu

- Publicada em 20h07min, 18/09/2021.

Novidade da Champions, Sheriff é tido como ferramenta de luta separatista

O clube já estreou de forma história ao derrotar o Shakhtar Donetsk-UCR por 2 a 0 pelo grupo D

O clube já estreou de forma história ao derrotar o Shakhtar Donetsk-UCR por 2 a 0 pelo grupo D


SERGEI GAPON/AFP/JC
Ferramenta política de seu dono, o Futebol Clube Sheriff Tiraspol é o primeiro clube na fase de grupos da Champions League a representar a Transnístria, um país que, oficialmente, não existe. A equipe atua na liga da Moldova, nação que também jamais teve um time neste estágio do torneio europeu. E o clube já estreou de forma história ao derrotar o Shakhtar Donetsk-UCR por 2 a 0 pelo grupo D - nesta chave, também estão os gigantes Real Madrid-ESP e Internazionale-ITA.
Ferramenta política de seu dono, o Futebol Clube Sheriff Tiraspol é o primeiro clube na fase de grupos da Champions League a representar a Transnístria, um país que, oficialmente, não existe. A equipe atua na liga da Moldova, nação que também jamais teve um time neste estágio do torneio europeu. E o clube já estreou de forma história ao derrotar o Shakhtar Donetsk-UCR por 2 a 0 pelo grupo D - nesta chave, também estão os gigantes Real Madrid-ESP e Internazionale-ITA.
"Este time representa um enclave separatista onde corrupção, contrabando e acordos econômicos escusos são comuns, o que afeta diretamente o orçamento e os interesses da República da Moldova. A vaga na Champions League vai beneficiar apenas o proprietário do clube e ninguém mais", afirma o jornalista moldavo Cristian Jardan.
A federação do país não pensa da mesma forma. Quando o Sheriff eliminou o Dínamo de Kiev e se classificou para a inédita fase de grupos, o site da entidade comemorou o feito que chamou de histórico.
Dirigentes esportivos e políticos da Moldova também se dividem. Uma parte vê a importância do feito para o futebol nacional. Outros, como Jardan, enxergam como ferramenta para servir a uma política separatista.
Tiraspol, cidade do Sheriff, é a capital de Transnístria, como é conhecida a República Moldava Pridnestróvia. O estado ocupa faixa de terra entre o rio Dniester e a fronteira com a Ucrânia. Pelos desejos de independência da região, o governo da Moldova o reconhece como um território autônomo com status legal diferenciado.
Fundado em 1997, o FC Sheriff logo se estabeleceu como a principal força do futebol local. Tem 19 títulos nacionais, dez deles em anos consecutivos. O desejo declarado pelos dirigentes, há uma década, era atingir a fase de grupos da Champions. Conseguiu neste ano, após passar nas fases classificatórias por Teuta (Albania), Alashkert (Armênia), Estrela Vermelha (Sérvia) e Dínamo Zagreb.
O principal ponto de polêmica envolvendo o clube é o empresário Viktor Gushan, um dos seus fundadores. Ex-integrante das forças especiais do exército na antiga União Soviética (ao lado de Ilya Kamaly, outro responsável pela criação da equipe), ele é uma das figuras mais influentes de Transnístria, apoiador das causas separatistas.
O FC Sheriff é parte do segundo maior conglomerado empresarial da região, que também tem cadeia de supermercado, canal de TV, postos de gasolina, construtora, concessionária de veículos de luxo, duas fábricas de pães e a principal rede de telefonia celular do território.
Gusan possui cidadania ucraniana e é dono de várias residências de luxo no país vizinho. Uma delas foi alvo de investigação por construção irregular. Os principais laços da região são com a Rússia. O governo de Vladimir Putin fornece gás natural e paga as pensões de aposentados da Transnístria. Tropas do exército russo estão estacionadas na região para garantir seu status autônomo.
Antigo território soviético, a Moldova declarou independência em 1991. "O FC Sheriff não tem nada a ver com política. É um clube de futebol apenas", afirma Gusan.
Neste ano, o grupo empresarial do qual a equipe faz parte foi acusado de fraude nas eleições parlamentares da Moldova. Ofereceu US$ 25 para quem fosse votar em um pleito em que a participação dos cidadãos era opcional.
Apoio ao governo do território também traz benefícios econômicos. As empresas de Gusan receberam redução em taxas de importação.
Na questão orçamentária, para o FC Sheriff é um grande negócio a classificação para a fase de grupos da Champions. Garante o recebimento de pelo menos US$ 19 milhões (cerca de R$ 100 milhões) em direitos de transmissão. O número não engloba valores de patrocínio e venda de ingressos para as partidas em casa, como será contra o Shakhtar Donetsk.
Todo o elenco do Sheriff está avaliado em US$ 15 milhões (cerca de R$ 80 milhões). O do Real Madrid, rival de grupo, vale US$ 800 milhões (R$ 4,2 bilhões).
"É um conto de fadas e também uma oportunidade. Todo mundo assiste aos jogos da Champions League. Para o clube e para nós é um momento muito especial", afirma o atacante Adama Traoré, nascido no Mali, e autor de nove gols em 16 jogos da liga de Moldova até agora.
/Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário