Porto Alegre, terça-feira, 16 de fevereiro de 2021.
Dia do Repórter.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 16 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Liga dos Campeões

- Publicada em 15h28min, 16/02/2021. Atualizada em 15h32min, 16/02/2021.

Com Messi e sem Neymar, Barcelona e PSG duelam pela Liga dos Campeões

Craque vem em boa fase, com nove gols nos últimos nove jogos

Craque vem em boa fase, com nove gols nos últimos nove jogos


LLUIS GENE/AFP/JC
Barcelona e Paris Saint-Germain se enfrentam nesta terça-feira (16), às 17 horas (de Brasília), no Camp Nou, com todos os olhares sob Lionel Messi. Afinal, o craque é a principal esperança do oscilante time catalão para o confronto de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. Além disso, outro tempero agita o duelo: o argentino está na mira da desfalcada equipe francesa para a próxima temporada.
Barcelona e Paris Saint-Germain se enfrentam nesta terça-feira (16), às 17 horas (de Brasília), no Camp Nou, com todos os olhares sob Lionel Messi. Afinal, o craque é a principal esperança do oscilante time catalão para o confronto de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. Além disso, outro tempero agita o duelo: o argentino está na mira da desfalcada equipe francesa para a próxima temporada.
Com contrato até 30 de junho com o Barcelona, Messi ainda não indicou qual será o seu futuro daqui a pouco mais de quatro meses. Mas a insatisfação com a gestão do clube catalão, que passará em breve por eleição presidencial, torna real e provável a saída do time pelo qual construiu a sua gloriosa carreira.
O PSG seria um dos times interessados em Messi, a ponto de a prestigiosa revista esportiva France Football ter publicado em edição recente os planos do time parisiense para contratá-lo, algo que irritou o Barcelona, especialmente pela proximidade do confronto entre os clubes.
Além disso, o PSG conta com argentinos que podem convencê-lo a mudar de lado: o meia-atacante Di María e o técnico Mauricio Pochettino. E, principalmente, Neymar, seu amigo e companheiro nos tempos de Barcelona, a quem o clube parisiense tirou do catalão em 2017, por € 222 milhões, na maior transação da história do futebol.
Independentemente de qual será o seu futuro, Messi tem demonstrado que pode continuar causando impacto por muito tempo. Tanto que marcou nove gols nas últimas nove partidas pelo Barcelona, sendo dois no último sábado, nos 5 a 1 sobre o Alavés, o que tem enchido o técnico Ronald Koeman de confiança. E para ajudá-lo, o Barça terá o retorno do zagueiro Gerard Piqué, livre de contusão, e apto a encarar um PSG cheio de problemas.
"Nós temos jogadores fantásticos, o que significa que nós podemos derrotar todo mundo, e é isso que nós queremos mostrar competindo com os melhores times da Europa", disse o treinador do Barcelona, que, porém, tem oscilado bastante na temporada 2020/2021.
O principal desfalque do time francês nesta terça será Neymar. O atacante brasileiro sofreu lesão na coxa esquerda na quarta-feira passada e deverá desfalcar o time parisiense por quatro semanas, o que o torna dúvida para o duelo de volta, no Parque dos Príncipes, em 10 de março. Di María também foi descartado para o confronto em Barcelona por causa de lesão. Recuperado, o meio-campista Verratti reforçará o PSG, com Pochettino apostando suas fichas em Mbappé e Icardi para voltar a Paris com um bom resultado.
Esse será o quarto confronto entre PSG e Barcelona na fase de mata-matas da Liga dos Campeões na história recente. O time catalão se deu melhor em todos, em 2013 e 2015 nas quartas de final, e, na mais recente e marcante, nas oitavas de final de 2017, quando a equipe espanhola avançou com uma goleada por 6 a 1, após perder o duelo de ida por 4 a 0.
"História é história, o que se passou já foi e não podemos apagá-lo, apenas queremos construir um futuro melhor. Os jogadores são diferentes e a própria equipe também", minimizou Pochettino.
Comentários CORRIGIR TEXTO