Porto Alegre, quinta-feira, 26 de novembro de 2020.
Feriado nos EUA - Dia de Ação de Graças.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 26 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Futebol Argentino

- Publicada em 20h31min, 26/11/2020.

Emoção e confusão marcam adeus a Maradona

Fãs tomaram o entorno da Praça de Maio para se despedir de Maradona

Fãs tomaram o entorno da Praça de Maio para se despedir de Maradona


LEANDRO BLANCO/AFP/JC
O velório de Diego Armando Maradona na Casa Rosada, sede do governo argentino, foi palco de homenagens e despedidas emocionadas para o ídolo, mas também de caos ao longo desta quinta-feira (26). Pouco depois do anúncio de que a cerimônia seria encerrada por volta das 16h, a visitação foi interrompida, e o caixão com o corpo do ídolo, retirado do local onde estava exposto. O ex-jogador morreu aos 60 anos na quarta-feira (25), em casa, quando se recuperava de uma cirurgia na cabeça. A causa ainda não foi confirmada.
O velório de Diego Armando Maradona na Casa Rosada, sede do governo argentino, foi palco de homenagens e despedidas emocionadas para o ídolo, mas também de caos ao longo desta quinta-feira (26). Pouco depois do anúncio de que a cerimônia seria encerrada por volta das 16h, a visitação foi interrompida, e o caixão com o corpo do ídolo, retirado do local onde estava exposto. O ex-jogador morreu aos 60 anos na quarta-feira (25), em casa, quando se recuperava de uma cirurgia na cabeça. A causa ainda não foi confirmada.
Em meio à pandemia de Covid-19, mais de 1 milhão de pessoas eram esperadas para o evento público. Milhares já aguardavam para entrar na Casa Rosada às 6h, quando as portas do edifício histórico se abriram para receber os fãs.
As tentativas de manter o distanciamento social e a organização da entrada dos admiradores fracassaram logo de cara. Havia grades de metal para tentar conter os fãs, mas elas eram constantemente derrubadas, porque alguns queriam passar adiante dos outros.
Como não havia tempo hábil para que todos prestassem suas homenagens, seguindo o combinado entre a presidência argentina e a família do ex-jogador, os organizadores interromperam a entrada, frustrando a fila que se estendia por dez quarteirões.
Começou, então, a haver correria e revolta entre os presentes quando informados de que muitos deles não chegariam perto do ídolo. A polícia interveio com gás lacrimogêneo e tiros de bala de borracha, principalmente na entrada da Praça de Maio, e perto das cercas da Casa Rosada. Um grupo entrou à força no pátio interno da Casa Rosada, o que levou a polícia a atirar novamente gás lacrimogêneo.
Até então, o lado de dentro era bem mais controlado. O caixão estava fechado e, a princípio, coberto com uma camiseta da Argentina de número 10 e outra do Boca Juniors. Os fãs jogavam camisetas de vários times, terços, flores e outros objetos.
Ao redor do caixão estavam sua ex-mulher, Claudia Villafañe, suas filhas mais velhas, Dalma e Giannina, e também sua companheira mais recente, Veronica Ojeda, com o filho mais novo, Dieguito Fernando, além da outra filha do ex-jogador, Jana Maradona. Apenas um dos filhos reconhecidos, Diego Júnior, não compareceu, por estar na Itália, em tratamento médico por conta do coronavírus.
Também apareceram ex-jogadores que foram companheiros de Maradona, como Oscar Ruggeri, Sergio Batista e Jorge Burruchaga, e alguns ídolos mais recentes, como Tévez, Palermo e Mascherano. O presidente argentino, Alberto Fernández chegou de helicóptero no fim da manhã. Depois da cerimônia na Casa Rosada, o corpo foi levado ao cemitério de Bella Vista.
Comentários CORRIGIR TEXTO