Porto Alegre, sábado, 03 de outubro de 2020.
Dia do Petróleo Brasileiro. Dia Mundial do Dentista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 03 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Fórmula 1

- Publicada em 08h55min, 03/10/2020.

F-1 soma dez casos de Covid após o GP da Rússia

Prova disputada em Sochi contou com a presença de 30 mil espectadores nas arquibancadas

Prova disputada em Sochi contou com a presença de 30 mil espectadores nas arquibancadas


BRYN LENNON/AFP/JC
A Fórmula 1 registrou dez casos de Covid após os 1.822 testes realizados entre os dias 25 de setembro e 1º de outubro, período em que foi disputado o GP da Rússia, onde pela primeira vez foi permitida a entrada de público no circuito de Sochi, com cerca de 30 mil espectadores.
A Fórmula 1 registrou dez casos de Covid após os 1.822 testes realizados entre os dias 25 de setembro e 1º de outubro, período em que foi disputado o GP da Rússia, onde pela primeira vez foi permitida a entrada de público no circuito de Sochi, com cerca de 30 mil espectadores.
Apesar da coincidência, os organizadores da principal categoria do automobilismo não consideram que a presença de público tenha causado o maior número de casos positivos em uma única semana desde que a F-1 começou a conduzir os testes para dar início à temporada 2020, ainda em julho, na Áustria.
"Aqueles com teste positivo eram auxiliares do circuito. Esses casos foram gerenciados de forma rápida e eficaz sem impactar o evento. A presença de fãs não tem relação com a situação, pois o público não foi autorizado a entrar na bolha da F-1, conforme nosso protocolo em vigor. A FIA e a Fórmula 1 estão fornecendo essas informações agregadas para fins de integridade e transparência da concorrência. Nenhum detalhe específico sobre equipes ou indivíduos será fornecido pela FIA ou Fórmula 1 e os resultados serão divulgados a cada 7 dias", informou o comunicado.
Opinião não compartilhada pelo francês Romain Grosjean. Segundo o piloto, pessoas de fora do circo da F-1 teriam furado a bolha no hotel em Sochi e tido contato com pilotos e funcionários das equipes.
"Eu provavelmente não deveria dizer isso e vou ser repreendido, mas é a primeira vez que não me senti seguro em um hotel. Na Rússia, usar máscara não é obrigatório. Garçons usam, mas não cobrem o nariz. Há muitos fãs no hotel, então às vezes nos vemos dividindo um elevador com pessoas de fora da bolha da F-1. Isso não é algo que me faça sentir confortável. Não tenho medo de contrair o vírus pela minha saúde, mas não quero ser infectado porque não poderia pilotar, ou seja, não poderia fazer o meu trabalho. Não estou satisfeito com as medidas de segurança implementadas no hotel", afirmou o piloto da equipe Haas.
Com os casos na Rússia, chega-se a um total de 17 infectados em duas semanas, já que a F-1 havia confirmado sete novos casos após 3.256 testes entre os dias 18 e 24 de setembro. Desde julho, foram feitos cerca de 50 mil testes, com 26 casos positivos.
Comentários CORRIGIR TEXTO