Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Futebol

- Publicada em 14h09min, 23/09/2020. Atualizada em 15h04min, 23/09/2020.

Comitê de Porto Alegre diz que é prematura volta de público aos estádios

Jogos voltaram em julho, com disputas na Arena e no Beira-Rio com portões fechados

Jogos voltaram em julho, com disputas na Arena e no Beira-Rio com portões fechados


Ricardo Duarte/S.C Internacional/JC
Em nota no começo da tarde desta quarta-feira (23), a prefeitura de Porto Alegre descartou a retomada da torcida em jogos de futebol nos estádios. O município recebeu nessa terça-feira (22) documento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com indicação de protocolos para jogos do Campeonato Brasileiro. 
Em nota no começo da tarde desta quarta-feira (23), a prefeitura de Porto Alegre descartou a retomada da torcida em jogos de futebol nos estádios. O município recebeu nessa terça-feira (22) documento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com indicação de protocolos para jogos do Campeonato Brasileiro. 
O Ministério da Saúde emitiu orientação também nessa terça-feira que permitiria, dependendo da evolução da pandemia, até 30% de público nas estruturas em dias de jogos.
O Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus diz que é "ainda é prematuro liberar 30% da capacidade nos estádios, que no caso da Capital, seriam cerca de 15 mil pessoas em cada estádio".
O comitê faz o encaminhamento, mesmo considerando que há estabilidade da curva de transmissão e da ocupação de leitos de UTI na Capital.
Segundo a nota do organismo que faz a gestão da pandemia, após análise do pedido na manhã desta quarta, a prioridade será para o retorno da educação e os setores que não voltaram, como de eventos que não mobilizam grande público.
"Somente após cumprida esta etapa é que deverão ser discutidas novas flexibilizações."
Comentários CORRIGIR TEXTO