Porto Alegre, domingo, 13 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 13 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

FÓRMULA 1

- Publicada em 13h43min, 13/09/2020. Atualizada em 13h48min, 13/09/2020.

Hamilton supera Bottas e vence GP da Toscana marcado por acidentes

Piloto britânico da Mercedes aumentou sua vantagem na liderança do Mundial de pilotos

Piloto britânico da Mercedes aumentou sua vantagem na liderança do Mundial de pilotos


BRYN LENNON/AFP/JC
A estreia de Mugello no calendário da Fórmula 1 ofereceu neste domingo (13) uma corrida agitada, com um pódio inédito para Alexander Albon, grandes acidentes - que não passaram de sustos para os envolvidos - e duas relargadas. A vitória, porém, não foi uma novidade: dobradinha da Mercedes. Lewis Hamilton venceu o GP da Toscana de 2020 e aumentou sua vantagem na liderança do Mundial de pilotos.
A estreia de Mugello no calendário da Fórmula 1 ofereceu neste domingo (13) uma corrida agitada, com um pódio inédito para Alexander Albon, grandes acidentes - que não passaram de sustos para os envolvidos - e duas relargadas. A vitória, porém, não foi uma novidade: dobradinha da Mercedes. Lewis Hamilton venceu o GP da Toscana de 2020 e aumentou sua vantagem na liderança do Mundial de pilotos.
Valtteri Bottas pressionou durante todo o final de semana, inclusive nas voltas finais da corrida, mas teve que se contentar com o segundo lugar. Completando o pódio, veio a Red Bull de Alexander Albon, que conquistou um terceiro lugar pela primeira vez -até então, o tailandês tinha o quarto lugar nos GPs de Japão-2019 e Estíria-2020 como melhores resultados.
Max Verstappen acabou sendo o grande nome da primeira das três largadas do dia. O holandês da Red Bull largou em terceiro, mas, sem potência, foi engolido pelo grid na primeira volta. Ao ficar para trás, envolveu-se no primeiro grande acidente do domingo: um choque entre Kimi Raikkonen (Alfa Romeo) e Pierre Gasly (Alpha Tauri) acabou atingindo também Verstappen, que vinha à frente da dupla. Gasly e Verstappen abandonaram. Romain Grosjean (Haas), que estava perto, escapou.
E não foi só. Ao mesmo tempo, um pouco à frente, Carlos Sainz (McLaren) rodou e Sebastian Vettel não conseguiu escapar, tocando sua Ferrari no adversário. Os dois, porém, continuaram na prova.
Com tudo isso, o safety car entrou na pista. Valtteri Bottas havia tomado o primeiro lugar de Lewis Hamilton, com Charles Leclerc em terceiro. O carro-madrinha só voltou aos boxes na sexta volta, mas com mais confusão.
Na relargada, Bottas ziguezagueou e reacelerou para ganhar distância do restante do pelotão. A manobra atrapalhou quem vinha atrás. Kevin Magnussen desacelerou a Haas, mas Antonio Giovinazzi vinha rápido atrás e encheu sua Alfa Romeo na traseira do dinamarquês. Nicholas Latifi (Williams) e Carlos Sainz também foram atingidos.
Romain Grosjean vinha na sequência, mas desacelerou e escapou da pancada. "Isso foi estúpido pra c... de quem quer que estivesse na frente. Eles querem matar a gente ou quê? Foi a pior coisa que eu já vi", esbravejou o francês da Haas no rádio. Com a pancadaria na reta de largada, a organização deu bandeira vermelha e paralisou a corrida.
Na nova largada, Hamilton tomou o primeiro lugar de Bottas. Sem batidas, Leclerc segurou o terceiro lugar, à frente de Lance Stroll, Sergio Perez e Daniel Ricciardo. Esteban Ocon, da Renault, teve problemas de freio e ficou fora da relargada.
O monegasco da Ferrari, porém, passou a ser perseguido pelo canadense da Racing Point -e com a Renault de Daniel Ricciardo perto, de olho na briga. De tanto pressionar, Stroll assumiu o terceiro lugar no início da 18ª volta, ao mesmo tempo em que Alexander Albon tomava o sexto lugar de Sergio Perez.
Na volta seguinte, foi a vez de Ricciardo, que tomou o quarto lugar de Leclerc. Na volta 20, o monegasco foi superado por Albon, caindo para o sexto posto. Na volta 21, foi a vez de Perez deixar a Ferrari para trás.
Nas trocas de pneus das voltas seguintes, o australiano da Renault assumiu o terceiro lugar, à frente de Stroll, Albon e Perez. E na volta 44, quando parecia se reaproximar do terceiro lugar, o canadense da Racing Point escapou, provocando um novo safety car.
Quem se deu bem foi Valtteri Bottas, que aproveitou para, quase que de imediato, entrar nos boxes para apostar em um novo jogo de pneus e tentar buscar a vitória. E a organização anunciou mais uma bandeira vermelha, paralisando pela segunda vez a prova.
Na segunda relargada, na volta 47, Daniel Ricciardo tomou o segundo lugar de Valtteri Bottas. Alexander Albon vinha atrás, com Sergio Perez em quinto. Na volta seguinte, porém, Bottas deu o troco, recuperou o segundo lugar e foi atrás de Lewis Hamilton de novo.
Pior para Ricciardo, que passou a ser pressionado por Albon. E o tailandês assumiu o terceiro lugar na volta 51, a oito voltas da bandeira quadriculada.
Não foi só. Nas voltas finais, o tailandês seguiu pressionando para tentar alcançar o segundo lugar de Bottas. Não conseguiu, mas garantiu seu lugar no pódio atrás da dobradinha da Mercedes.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO