Porto Alegre, segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Futebol brasileiro

Notícia da edição impressa de 29/06/2020. Alterada em 28/06 às 20h23min

Volta do Brasileirão trará desafios em relação à logística

Expectativa é que competição nacional vá até fevereiro de 2021

Expectativa é que competição nacional vá até fevereiro de 2021


RICARDO DUARTE/INTER/DIVULGAÇÃO/JC
Para os clubes envolvidos, a edição 2020 do Campeonato Brasileiro vai representar uma batalha a ser vencida. Não apenas em campo, mas também no planejamento logístico. De acordo com a Agência Estado, o anúncio da CBF de que a competição continuará com 38 rodadas e deve durar de agosto até fevereiro de 2021 disparou nos clubes um processo de repensar o cronograma de voos, escolhas de hotéis e preparação de locais de treinos em outras cidades. Tudo isso, sem descuidar do novo coronavírus.
Para os clubes envolvidos, a edição 2020 do Campeonato Brasileiro vai representar uma batalha a ser vencida. Não apenas em campo, mas também no planejamento logístico. De acordo com a Agência Estado, o anúncio da CBF de que a competição continuará com 38 rodadas e deve durar de agosto até fevereiro de 2021 disparou nos clubes um processo de repensar o cronograma de voos, escolhas de hotéis e preparação de locais de treinos em outras cidades. Tudo isso, sem descuidar do novo coronavírus.
Após reunião com representantes dos 40 clubes das duas primeiras divisões do Brasileirão, ocorrida no final da última semana, o fim de semana de 8 e 9 de agosto foi estabelecido como meta para o início das disputas. A maioria dos clubes concordou em realizar jogos fora de suas cidades, caso algumas praças não estejam autorizadas a sediar partidas pelas autoridades locais de saúde.
Mantendo o calendário de pontos corridos, com jogos em ida e volta, seria necessário realizar uma média de duas partidas por semana, de forma a encerrar a competição no prazo de seis meses - e isso em meio a compromissos como Copa do Brasil e torneios continentais.
Além disso, há os estaduais: no momento, apenas o Carioca tem jogos em andamento, o que pode gerar mais congestionamento de datas. Neste domingo (28), o Botafogo goleou o Cabofriense por 6 a 2 em uma partida marcada por protestos antirracistas e contra a volta da competição por parte do Botafogo.
A lógica de treinos e intervalos para recuperação física deverá sofrer mudanças. A agenda apertada pode forçar um time a preferir, por exemplo, viajar para um jogo de antevéspera e não mais na véspera, por confiar que na cidade seguinte terá uma estrutura melhor para treinar e recuperar os atletas do cansaço da partida anterior. O rodízio de jogadores entre os jogos também deve se tornar uma constante.
Um pedido dos clubes é que a tabela possa ser alterada para facilitar as viagens. Assim, um time pode realizar uma sequência de partidas em cidades próximas, para diminuir o desgaste. A CBF ainda não se manifestou sobre essa possibilidade.
Comentários