Porto Alegre, quarta-feira, 20 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 20 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Comitê olímpico do Brasil

Notícia da edição impressa de 20/05/2020. Alterada em 19/05 às 20h40min

COB estima corte de R$ 43 mi em despesas devido à pandemia

Presidente Paulo Wanderley Teixeira afirma que a entidade está dando todo suporte aos atletas

Presidente Paulo Wanderley Teixeira afirma que a entidade está dando todo suporte aos atletas


/TOMAZ SILVA/AGÊNCIA SENADO
Passados dois meses desde o início do isolamento social por conta da pandemia, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) divulgou, nesta terça-feira (19) um balanço das principais medidas de proteção e suporte ao esporte tomadas pela entidade. As despesas de ordem administrativa e de projetos em 2020 foram reduzidas em cerca de R$ 43 milhões.
Passados dois meses desde o início do isolamento social por conta da pandemia, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) divulgou, nesta terça-feira (19) um balanço das principais medidas de proteção e suporte ao esporte tomadas pela entidade. As despesas de ordem administrativa e de projetos em 2020 foram reduzidas em cerca de R$ 43 milhões.
O COB diz que acompanha de perto as orientações dos órgãos governamentais e da Organização Mundial de Saúde (OMS) e está atento aos cenários nacional e internacional, bem como aos posicionamentos do Comitê Olímpico Internacional (COI) e do Comitê Organizador de Tóquio 2020.
O objetivo da entidade é zelar pela integridade física e saúde de seus públicos (atletas, treinadores e colaboradores), garantir a sustentabilidade do Movimento Olímpico por meio das confederações, bem como propiciar condições de classificação para os atletas.
"Estamos trabalhando incessantemente para buscar alternativas que permitam que o Movimento Olímpico Brasileiro supere a crise provocada pela pandemia. Nossa preocupação é garantir a sustentabilidade de todo o sistema olímpico e também uma preparação adequada aos nossos atletas para Tóquio", afirmou o presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira.
Comentários