Porto Alegre, domingo, 12 de abril de 2020.
Dia do Obstetra.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, domingo, 12 de abril de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Preconceito

09/04/2020 - 22h20min. Alterada em 12/04 às 21h13min

Crimes discriminatórios nos estádios de futebol do Brasil cresceram 70%

O levantamento inclui casos de racismo, machismo e homofobia nos estádios

O levantamento inclui casos de racismo, machismo e homofobia nos estádios


Instagram / taisonfreda7 / Reprodução / JC
O número de crimes discriminatórios nos estádios de futebol do Brasil cresceram 70% de acordo com o novo levantamento feito pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol. Os números mostram que apesar do protocolo adotado pela Fifa e pela CBF, em 2018, prever punição aos clubes diante dessas ações, as medidas não têm mostrado efeito diante dos torcedores.
O número de crimes discriminatórios nos estádios de futebol do Brasil cresceram 70% de acordo com o novo levantamento feito pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol. Os números mostram que apesar do protocolo adotado pela Fifa e pela CBF, em 2018, prever punição aos clubes diante dessas ações, as medidas não têm mostrado efeito diante dos torcedores.
O levantamento inclui casos de racismo, machismo e homofobia nos estádios do País. O salto entre 2018 e 2019 é de 62 casos. Apenas na temporada passada foram 150 ocorrências, contra 88 do ano anterior. O relatório ainda informa que o crescimento maior é de racismo.
No caso dessas ações, os clubes podem ser multados e até perder pontos em competições. O protocolo da CBF se baseia no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que determina punições para "práticas ou ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência".
De acordo com o Observatório da Discriminação Racial no Futebol, os casos estão espalhados por 16 estados brasileiros, sendo o Rio Grande do Sul com o maior número de ocorrências, 17. Na sequência estão São Paulo e Rio de Janeiro.