Porto Alegre, sexta-feira, 20 de março de 2020.
Início do Outono.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Tóquio 2020

Notícia da edição impressa de 20/03/2020. Alterada em 19/03 às 20h57min

COB garante que atletas estão preparados para os Jogos Olímpicos

La Porta, vice-presidente do COB, trabalha com a ideia da realização das Olimpíadas 

La Porta, vice-presidente do COB, trabalha com a ideia da realização das Olimpíadas 


ABELARDO MENDES JR/DIVULGAÇÃO/JC
O vice-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e chefe da missão do Time Brasil em Tóquio, Marco Antonio La Porta, disse que o País deve chegar aos Jogos Olímpicos com mais de 280 atletas. "A gente conta com a torcida de todos. Nossos atletas estão muito bem preparados e animados", afirmou. O governo japonês descarta a possibilidade de cancelamento das competições por causa da pandemia de coronavírus.
O vice-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e chefe da missão do Time Brasil em Tóquio, Marco Antonio La Porta, disse que o País deve chegar aos Jogos Olímpicos com mais de 280 atletas. "A gente conta com a torcida de todos. Nossos atletas estão muito bem preparados e animados", afirmou. O governo japonês descarta a possibilidade de cancelamento das competições por causa da pandemia de coronavírus.
A estimativa do COB deve se se confirmar em meados de junho, poucos dias antes do embarque da delegação para o Japão. Isso porque algumas modalidades ainda precisam passar por disputas classificatórias. A meta, segundo ele, é manter o Brasil no patamar conquistado nos Jogos do Rio, quando a equipe teve o melhor resultado da história em Olimpíadas. Os brasileiros ficaram em 13º lugar no quadro de medalhas, com 19 posições nos pódios, sendo sete medalhas de ouro.
"A gente acredita que possa, se não superar o resultado do Rio, chegar muito próximo. Fizemos 17 medalhas em Londres e 19 no Rio. Se passar de 20, ótimo. A gente vai realmente ter atingido um objetivo que só a Grã-Bretanha atingiu: depois de organizar os Jogos, conseguir um resultado melhor nos seguintes, fora de casa", disse.
Para garantir a meta, um trabalho intenso de preparação, tanto de atletas, quanto do quadro técnico, vem sendo feito desde o anúncio de Tóquio como sede das próximas disputas. Atualmente, 177 atletas estão classificados. O COB tem buscado garantir as condições para que esse grupo continue treinando para o Japão, além de apoiar as equipes que ainda precisam garantir vagas.
"Fizemos um estudo e os piores resultados do Brasil foram em Jogos realizados na Ásia e na Oceania. Principalmente por causa da questão do fuso horário, da alimentação e do deslocamento. A gente tentou minimizar esses desafios", revelou La Porta. As medidas incluem o treinamento de cozinheiros japoneses para o preparo de comida tipicamente brasileira até a construção de nove bases de aclimatação para as equipes chegarem antes do previsto e se acostumarem com a diferença de horário entre os países.
Toda essa estrutura de apoio ocorre em meio à pandemia do coronavirus, que tem levado autoridades em diversos países a suspender eventos esportivos. La Porta admite que o cenário tem prejudicado atletas, que não podem disputar competições que serviriam como treinamento e até classificação para Tóquio. Mas, mantendo contato permanente com o COI e com o comitê preparatório do Japão, o chefe da missão brasileira aposta na manutenção das Olimpíadas deste ano.