Porto Alegre, quinta-feira, 19 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Tóquio 2020

Notícia da edição impressa de 19/03/2020. Alterada em 19/03 às 03h00min

Comitê Olímpico da Espanha pede adiamento dos Jogos Olímpicos

O Comitê Olímpico Espanhol (COE) pediu, durante videoconferência com outros comitês olímpicos ontem, o adiamento das Olimpíadas de Tóquio, com início previsto para 24 de julho, em decorrência da pandemia do novo coronavírus. De acordo com o presidente da entidade espanhola, Alejandro Blanco, os atletas de seu país não podem entrar no evento em "condições desiguais" por não poderem treinar.
O Comitê Olímpico Espanhol (COE) pediu, durante videoconferência com outros comitês olímpicos ontem, o adiamento das Olimpíadas de Tóquio, com início previsto para 24 de julho, em decorrência da pandemia do novo coronavírus. De acordo com o presidente da entidade espanhola, Alejandro Blanco, os atletas de seu país não podem entrar no evento em "condições desiguais" por não poderem treinar.
A Espanha teve quarentena decretada no domingo e já contabiliza 11 mil pessoas contaminadas com o vírus. O número de mortos é de quase 500. No país, a população só pode ir para as ruas para comprar mantimentos e ir a hospitais. "As notícias que recebemos todos os dias são desconfortáveis para todos os países do mundo, mas, para nós, o mais importante é que nossos atletas não podem treinar e celebrar os Jogos em condições desiguais. Queremos que a Olimpíada aconteça, mas com segurança", afirma Blanco.
Após a manifestação do presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, de que não havia "necessidade de tomar decisões drásticas" nesse momento, mantendo a previsão de abertura dos Jogos para 24 de julho.