Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Olimpíadas

- Publicada em 16h46min, 04/03/2020. Atualizada em 16h46min, 04/03/2020.

Presidente do COI descarta adiar ou cancelar Olimpíada de Tóquio

Bach descartou adiar ou cancelar os jogos após as declarações da ministra da Olimpíada

Bach descartou adiar ou cancelar os jogos após as declarações da ministra da Olimpíada


FABRICE COFFRINI/AFP/JC
O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, descartou nesta quarta-feira (4) adiar ou cancelar os Jogos Olímpicos de Tóquio, marcado para julho. Ele fez as declarações um dia depois de a ministra da Olimpíada do Japão, Seiko Hashimoto, cogitar a possibilidade de remarcar o grande evento para o fim do ano.
O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, descartou nesta quarta-feira (4) adiar ou cancelar os Jogos Olímpicos de Tóquio, marcado para julho. Ele fez as declarações um dia depois de a ministra da Olimpíada do Japão, Seiko Hashimoto, cogitar a possibilidade de remarcar o grande evento para o fim do ano.
"Eu posso dizer a vocês que, na reunião do Comitê Executivo do COI, as palavras 'cancelamento' e 'adiamento' não foram mencionadas", afirmou o dirigente. O Comitê Executivo do COI esteve em reunião nesta terça e quarta, em sua sede, em Lausanne, na Suíça.
Questionado sobre a confiança que demonstrou na realização da Olimpíada, marcada para acontecer de 24 de julho a 9 de agosto, Bach respondeu rapidamente: "Porque nós conversamos com especialistas". "Nós somos uma organização esportiva e nós seguimos os conselhos da Organização Mundial da Saúde OMS."
Com origem na China, o coronavírus apresentou seus primeiros casos no fim do ano passado e já infectou cerca de 90 mil pessoas pelo mundo, causando mais de 3.100 mortes. Surtos mais intensos aparecem no Irã e na Itália.
Em razão da preocupação com o surto, a própria Suíça, onde fica sediado o COI, decidiu banir reuniões públicas com mais de 1000 pessoas até meados de março, numa tentativa de conter a expansão do vírus pelo país, que é vizinho da Itália.
"Não vou acrescentar combustível ao fogo da especulação", declarou Bach, ao se esquivar de algumas perguntas. Questionado sobre uma possível declaração de pandemia pela OMS, ele afirmou: "Não vou fazer parte de nenhum tipo de especulação."
Diversos eventos-teste e classificatórios para a Olimpíada foram cancelados em meio ao surto do coronavírus nas últimas semanas. Diante disso, o canadense Dick Pound, vice-presidente do COI, sugeriu que os Jogos de Tóquio-2020 pudessem ser cancelados se a contaminação do vírus seguisse aumentando.
"Temos desafios agora com os torneios pré-olímpicos", admitiu Bach. "É desafiador, sim, mas ao mesmo tempo posso fazer que estou muito orgulhoso do movimento olímpico pela solidariedade e flexibilidade que todos demonstraram diante destes desafios, de forma a garantir a realização dos torneios."
O presidente do COI lembrou que preocupações com doenças e problemas geopolíticos às vésperas de uma Olimpíada não são novidade. "Tivemos uma situação em que não sabíamos se teríamos Jogos na península da Coreia Jogos de Inverno de Pyeongchang-2018. E, antes do Rio-2016, havia as especulações sobre o vírus da zica."
Até o momento, o novo coronavírus já contaminou mais de 91 mil pessoas em todo o mundo e fez mais de 3,1 mil vítimas. O balanço no Japão desconsidera os 706 casos e seis falecimentos ligados ao navio Diamond Princess, que estava em quarentena na Baía de Yokohama.
Comentários CORRIGIR TEXTO