Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de novembro de 2019.
Dia do Inventor.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

fórmula 1

04/11/2019 - 12h31min. Alterada em 04/11 às 12h37min

Às vésperas do GP do Brasil, Petrobras oficializa fim de parceria com a McLaren

Valor do contrato era de 163 milhões de libras esterlinas, ou de R$ 872,5 milhões

Valor do contrato era de 163 milhões de libras esterlinas, ou de R$ 872,5 milhões


Charles Coates/Getty Images/AFP/JC
Duas semanas depois do Ministério da Economia informar que a Petrobras cancelou o contrato de patrocínio da estatal com a equipe McLaren na Fórmula 1, as duas empresas oficializaram nesta segunda-feira (4), às vésperas do GP do Brasil, que será no próximo dia 17, em São Paulo, o fim da parceria técnica e de patrocínio que vinham desenvolvendo em conjunto. O valor do contrato era de 163 milhões de libras esterlinas (R$ 872,5 milhões).
Duas semanas depois do Ministério da Economia informar que a Petrobras cancelou o contrato de patrocínio da estatal com a equipe McLaren na Fórmula 1, as duas empresas oficializaram nesta segunda-feira (4), às vésperas do GP do Brasil, que será no próximo dia 17, em São Paulo, o fim da parceria técnica e de patrocínio que vinham desenvolvendo em conjunto. O valor do contrato era de 163 milhões de libras esterlinas (R$ 872,5 milhões).
O acordo foi assinado quando a Petrobras era comandada por Pedro Parente, durante o governo Michel Temer. Em fevereiro deste ano, a empresa estatal havia informado que estava revendo a sua política de patrocínios. Em maio, Bolsonaro anunciou no Twitter que estava buscando uma maneira de rescindir o contrato de publicidade com a McLaren, válido por cinco anos.
Apesar do final do acordo, a estatal brasileira e a equipe britânica de Fórmula 1 destacaram os pontos positivos do projeto. De acordo com a Petrobras, a parceria resultou em claros avanços tecnológicos na linha de combustíveis e lubrificantes, além de oportunidades de futuras cooperações comerciais, tecnológicas e de Responsabilidade Social entre as duas empresas.
"Reconhecemos a importância da McLaren no cenário do automobilismo global e ficamos muito satisfeitos com os resultados entregues durante os dois anos da nossa parceria", mencionou Roberto Castello Branco, atual presidente da Petrobras.
Ele comentou também que "o projeto permitiu que a Petrobras desenvolvesse gasolinas e lubrificantes de alta tecnologia por meio de pesquisas com novas matérias-primas e testes realizados em condições extremas. O desenvolvimento tecnológico será utilizado em produtos comerciais de lubrificantes e combustíveis. Enxergamos na McLaren um compromisso com a inovação bem como a possibilidade de futuras parcerias".
Zak Brown, CEO da McLaren, reiterou: "Gostaríamos de agradecer à Petrobras pela parceria e seu suporte. Temos muito respeito pela capacidade técnica e científica da empresa e não temos dúvida de que os técnicos da empresa fizeram um progresso substancial durante o período que trabalhamos juntos. Desejamos a todos na Petrobras todo o sucesso e esperamos vê-los de volta ao esporte novamente no futuro", disse.
A Petrobras tem diminuído o investimento em patrocínio ao esporte neste ano. A decisão foi tomada a partir da chegada de Roberto Castello Branco à presidência da estatal. Com isso, alguns projetos estão perdendo o apoio ou as suas verbas foram diminuídas.
A Petrobras não é a única estatal que está revisando os seus gastos no esporte. Recentemente, os contratos dos Correios com algumas confederações esportivas nacionais, como a de esportes aquáticos, rúgbi, tênis e handebol, terminaram ou se encerram nos próximos dias e não houve sinalização para renovação.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia