Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de junho de 2019.
Dia da Marinha Brasileira.

Jornal do Comércio

Esportes

CORRIGIR

copa do mundo feminina

11/06/2019 - 19h16min. Alterada em 11/06 às 19h18min

Suécia supera retranca do Chile para vencer por 2 a 0

Madelen Janogy comemora com companheiras de equipe a vitória da Suécia contra o Chile

Madelen Janogy comemora com companheiras de equipe a vitória da Suécia contra o Chile


Damien MEYER/AFP/JC
Agência Brasil
Um duelo desleal. De um lado, a Suécia vice-campeã olímpica em 2016, no Rio de Janeiro. De outro, o Chile estreando em mundiais femininos. Era essa a atmosfera da partida realizada em Rennes, pelo Grupo F.
A pressão inicial da Suécia foi incrível. A meta da goleira Endler sofria perigo a cada bola alçada na área. Aliás, a diferença de altura das jogadoras suecas para as chilenas parecia ser a grande arma das europeias.
Logo aos 2 minutos, a Suécia lança para a área. Na ânsia de salvar a meta, a zagueira Toro chuta para trás. A bola passa rente à trave. Quase um gol contra!
Aos 25 minutos, Sembrant cabeceia, Fischer desvia e a goleira Endler faz um milagre para evitar o primeiro gol sueco. Uma defesaça!
O 1º tempo terminou com o placar em 0 a 0, uma grande injustiça pelo poder de ataque das suecas. Mas uma grande recompensa para as boas defesas que a goleira Endler fez durante os 45 minutos iniciais.
Para o 2º tempo, insatisfeito com a atuação das atacantes, o técnico Gerhardsson trocou duas jogadores de frente, para tentar furar a retranca das chilenas.
No entanto, não teve tempo de as novas jogadoras suecas aquecer. Uma chuva forte começou a cair em Rennes. Aos 27 minutos, a chuva virou granizo e o jogo foi paralisado pela árbitra mexicana, ainda com o placar em 0 a 0. Foram 43 minutos de paralisação.
A Suécia voltou ainda melhor depois do ?intervalo? forçado. Até que aos 40 minutos, saiu o primeiro gol. Novamente, em uma bola alçada para a área. Desta vez, a zaga chilena falhou e permitiu a Asllani marcar com um chute forte: 1 a 0.
Com o Chile desorganizado após o gol, a reserva Janogy dominou na intermediária, driblou três adversárias e chutou para marcar 2 a 0, sacramentando a vitória, aos 49 minutos do 2º tempo.
Suécia 2 x 0 Chile
Lindahl; Glas, Fischer, Sembrant e Eriksson; Rubensson (Janogy) Asllani e Seger; Jakobsson, Blackstenius (Hurtig) e Rolfö (Anvegard). Técnico: Peter Gerhardsson.
Endler; Galaz, Guerrero, Saez e Toro; Araya, Aedo (Soto) e Lara; Zamora, Urrutía (López) e Balmaceda. Técnico: José Letelier.
Árbitro: Lucila Venegas (Fifa/MEX).
CORRIGIR