Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

seleção brasileira

Alterada em 07/05 às 19h37min

Coordenador, Edu Gaspar vai trocar a seleção pelo Arsenal após a Copa América

Estadão Conteúdo
Edu Gaspar vai deixar a seleção brasileira depois da Copa América. Ele aceitou a proposta do Arsenal, para ser diretor de futebol do clube inglês. Na CBF desde junho de 2016, quando assumiu a coordenação das seleções, Edu tem contrato até o fim da Copa do Mundo do Catar, mas decidiu aproveitar a oportunidade de trabalhar no futebol europeu.
O coordenador e a CBF evitam confirmar a saída de Edu. Oficialmente, ele insiste que está com foco na Copa América, que será realizada nos meses de junho e julho no Brasil, e lembra que seu contrato com a entidade vai até 2022. Mas não é veemente na negativa.
Edu sempre demonstrou interesse em trabalhar no futebol europeu. No Arsenal, tem bom trânsito e é bastante respeitado. Ele jogou no clube londrino entre 2001 e 2005. Teria comunicado que deixaria o cargo na CBF ainda no mês de março, antes de Rogério Caboclo assumir a presidência da entidade.
Sua saída poderá criar uma disputa na CBF, justamente por causa do substituto. Tite teria preferência por Duílio Monteiro Alves, atual diretor de futebol do Corinthians e com quem ele trabalhou no clube paulista.
Mas Caboclo não está disposto a aceitar, por dois motivos. Um deles é que Alves é ligado a Andrés Sanchez, dirigente que faz oposição ao atual comando da CBF. O outro é que o presidente da confederação quer dar cada vez mais espaço a ex-jogadores na entidade.
Por isso, entende que o coordenador deva ser um ex-atleta com bastante conhecimento de campo e experiência em gestão. Isso o levou, por exemplo, a contratar Juninho Paulista como diretor de desenvolvimento da entidade, além de manter Branco na função de coordenador da base.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia