Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 22 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

mundial de clubes

22/12/2018 - 16h40min. Alterada em 22/12 às 17h07min

Em ritmo de treino, Real Madrid goleia o Al Ain e fatura seu sétimo Mundial

Merengues celebram mais uma conquista do Mundial de Clubes da Fifa

Merengues celebram mais uma conquista do Mundial de Clubes da Fifa


GIUSEPPE CACACE/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O Real Madrid adicionou mais um troféu à sua gloriosa história neste sábado, ao conquistar o Mundial de Clubes pela sétima vez. Sem maiores dificuldades, a equipe espanhola confirmou o favoritismo diante do anfitrião Al Ain e venceu por 4 a 1, em Abu Dabi, para se tornar o primeiro time a faturar o torneio em três edições consecutivas.
Diante de um adversário amplamente inferior, o Real não foi brilhante, mas só sofreu sustos nos primeiros minutos. A partir do momento em que abriu o placar, a equipe estabeleceu sua superioridade em campo e arrancou para a goleada, com direito a participação de Vinicius Junior no quarto gol, marcado contra por Nader.
O título levantado pelo capitão Sergio Ramos, o primeiro de Santiago Solari como técnico, serviu para embalar o Real em uma temporada que começou oscilante e com a demissão de Julen Lopetegui. Maior vencedor da Liga dos Campeões, com 13 conquistas, o time espanhol é também o maior campeão do Mundial, adicionando este troféu aos conquistados em 1960, 1998, 2002, 2014, 2016 e 2017.
Para o Al Ain, ficou a sensação de dever cumprido após ser a grande surpresa do torneio. Afinal, os representantes dos Emirados Árabes Unidos, país-sede, deixaram para trás os campeões da Oceania (Team Wellington), da África (Espérance), além do vencedor da Libertadores, o River Plate, nas semifinais
E empurrado pela sua torcida, o Al Ain até começou animado neste sábado, propondo o mesmo jogo ofensivo que exerceu nas primeiras partidas. Se quase levou o primeiro logo aos três minutos, em dividida de Lucas Vázquez que parou na trave, respondeu aos cinco, com Fayez, que chegou a driblar Courtois mas ficou sem ângulo.
Aos 12, o time da casa teve sua grande chance quando Marcelo errou, El Shahat driblou Sergio Ramos e Courtois, mas viu o mesmo Sergio Ramos se recuperar e salvar em cima da linha. Só que no lance seguinte, o Real abriu o placar. Benzema recebeu cruzamento na área, dominou de peito e ajeitou para Modric, que finalizou cruzado, sem chances para Khalid.
O gol mudou completamente a partida. O Al Ain pareceu se abater e aos poucos deixou o campo ofensivo. Diante de um adversário que já se mostrava resignado com o placar, o Real também diminuiu o ritmo, e a partida perdeu em emoção.
Lucas Vázquez teve bom momento, mas jogou rente à trave. Começou, então, o show de chances perdidas de Benzema. Aos 34, ele recebeu sozinho e isolou. No segundo tempo, o francês teve outras duas oportunidades dentro da área, com espaço, mas voltou a desperdiçar.
Bale também tentou bem ao seu estilo, ao fazer malabarismo em uma bicicleta no início do segundo tempo. Mas somente quando Llorente subiu ao ataque, o Real voltou a marcar. Aos 14 minutos, Kroos cobrou escanteio para a área, a defesa afastou e o volante emendou de primeira, de fora da área, para marcar um belo gol, o seu primeiro entre os profissionais do clube madrilenho.
O segundo gol acabou de vez com qualquer ímpeto do Real, que relaxou excessivamente e viu Caio quase diminuir em um lance esporádico. Courtois salvou. O lance acordou o time madrilenho, e bastou uma nova ida ao ataque para sair o terceiro gol. Aos 32 minutos, Sergio Ramos aproveitou escanteio pela direita e subiu sozinho para marcar.
Também pelo alto, saiu o gol de honra de Shiotani, aos 40, um prêmio à campanha do Al Ain no torneio. Mas Vinicius Junior deu origem ao quarto do Real. Marcelo lançou para o atacante, que invadiu a área pela esquerda e tocou na saída do goleiro. Nader tentou o corte, mas finalizou contra o próprio gol.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia