Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 24 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Copa Libertadores

24/11/2018 - 19h23min. Alterada em 24/11 às 19h33min

Conmebol adia de novo hora da final da Libertadores, após ataque a ônibus do Boca Juniors

ônibus do Boca Juniors foi alvo de pedras da torcida do River

ônibus do Boca Juniors foi alvo de pedras da torcida do River


JOSÉ ROMERO / TELAM / AFP/JC
Estadão Conteúdo
A finalíssima da Copa Libertadores entre River Plate e Boca Juniors voltou a ter o horário do seu início adiado, agora para 20h15 (horário de Brasília). O duelo estava marcado para começar às 18h, depois sendo postergado em uma hora pela Conmebol em função do ataque ao ônibus do time visitante na chegada ao Monumental de Nuñez. E um novo adiamento foi adotado.
O ônibus foi recebido a pedradas neste sábado, no momento em que chegava ao estádio. Jogadores foram atingidos por estilhaços de vidro. O primeiro duelo da final terminou empatado por 2 a 2, no estádio de La Bombonera.
Os dirigentes de Boca Juniors e River Plate se reuniram com representantes da Conmebol e também com o presidente da Fifa Gianni Infantino após o incidente. A intenção do Boca é adiar a partida. Os dirigentes das duas entidades tentam convencer os visitantes a ir a campo.
O capitão do Boca Juniors Pablo Pérez, com cortes no braço e ferimento no olho, foi encaminhado a um hospital. O diretor do time visitante, Jorge Roberto Anró, concedeu entrevista e avisou que não há clima para acontecer a final. Segundo ele, o elenco não está em condições de entrar em campo por causa das agressões recebidas no momento da chegada no estádio.
Além do ferimento do capitão, outros atletas também foram vítimas dos efeitos do artefato com gás de pimenta arremessado por torcedor do River, como Tevez, Fernando Gago, Julio Buffarini, que foram vistos passando mal nas dependências do vestiário.
O último encontro entre Boca e River pela Libertadores, em 2015, nem chegou a acabar. No duelo de ida das oitavas de final, em La Bombonera, quatro jogadores do River foram atacados com uma mistura caseira de vários tipos de pimenta e ácido quando estavam no túnel inflável para o intervalo do clássico. O duelo estava 0 a 0. A partida foi cancelada e a Conmebol eliminou o Boca Juniors da competição em que o River acabou como campeão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia