Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

copa 2018

Notícia da edição impressa de 05/07/2018. Alterada em 05/07 às 01h00min

Copa da Rússia tem pior ranking de seleções nas quartas de final

As quartas de final da Copa da Rússia têm o pior ranking de seleções desde o Mundial de 1994, nos EUA, o primeiro realizado após a criação da lista da Fifa. O ranqueamento, que é utilizado para definir os cabeças de chave dos grupos do torneio, demonstra também que as atuais candidatas às semifinais teriam, em média, uma regularidade inferior aos que disputaram a taça em outras edições.
Das atuais classificadas, a Rússia é a de pior colocação no ranking da Fifa, ocupando o 70º lugar. É também a pior posição de uma participante das quartas em toda a série histórica, superando Senegal, que estava no 42º posto em 2002 - ano que era, até então, o de menor média entre as disputantes das quartas. Outras seleções com ranqueamento baixo nesta edição do torneio são a Suécia, 24ª colocada, e a Croácia, que ocupa a posição de número 20.
Na Copa disputada no Brasil, em 2014, a equipe de menor cartaz entre as que jogaram as quartas de final foi a Costa Rica (28ª no ranking), seguida da França (17ª). O próprio Brasil é quem equilibra um pouco as coisas, sendo a seleção mais cotada em 2018, com o segundo lugar no ranking. A atual líder, Alemanha, caiu ainda na fase de grupos. A metodologia do ranking da Fifa prioriza os resultados dos últimos 12 meses, sem atribuir muito peso ao desempenho histórico.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia