Porto Alegre, sexta-feira, 06 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Responsabilidade Social 2019

COMENTAR | CORRIGIR

Entidades sem Fins Econômicos (até R$ 250 mil)

Notícia da edição impressa de 06/12/2019. Alterada em 06/12 às 03h00min

Minimizando as diferenças e promovendo a inserção social

Crianças participam de atividades lúdicas, de reforço escolar e recebem aulas de Libras

Crianças participam de atividades lúdicas, de reforço escolar e recebem aulas de Libras


CAIS/DIVULGAÇÃO/JC
O papel desempenhado pelo Centro de Atendimento Integral ao Surdo (Cais) de Ijuí foi reconhecido, mais uma vez, por sua relevância no empenho para promover a inserção social de deficientes auditivos do município e da Região Noroeste do Rio Grande do Sul. Ao todo, 58 pessoas são atendidas diretamente e 120  indiretamente pelos programas desenvolvidos pela organização, cujo objetivo principal é auxiliar no resgate da identidade, visando à inclusão social.
O papel desempenhado pelo Centro de Atendimento Integral ao Surdo (Cais) de Ijuí foi reconhecido, mais uma vez, por sua relevância no empenho para promover a inserção social de deficientes auditivos do município e da Região Noroeste do Rio Grande do Sul. Ao todo, 58 pessoas são atendidas diretamente e 120  indiretamente pelos programas desenvolvidos pela organização, cujo objetivo principal é auxiliar no resgate da identidade, visando à inclusão social.
Segundo a diretora da instituição, Silvia Cristina Padilha da Costa, o Cais oferece um centro de atendimento que possibilita a comunicação sem barreiras, sustentada em quatro programas de atuação. A Casa da Cultura Surda atende surdos adultos duas tarde na semana, com palestras sobre temas atuais e relevantes, oficinas de teatro, informática, artesanato e culinária.
Já o Centro de Apoio à Criança e ao Adolescente Surdo oferece atendimento nas áreas de educação, cultura, lazer e saúde, através de diversas atividades relacionadas aos temas, como reforço escolar, passeios, viagens, atividades de recreação e festas temáticas. Aos adolescentes, proporciona preparação para o mercado de trabalho através de palestras e oficinas ligadas ao tema, atividades realizadas no contraturno escolar, duas vezes na semana. As crianças e os adolescentes surdos do programa ainda fazem lanche e almoçam na instituição.
O Projeto Semeando também atende crianças ouvintes familiares dos surdos que frequentam a instituição (filhos, netos, irmãos), todos na mesma faixa etária. A ideia é suprir a necessidade de atendimento para esse grupo pela carência de reforço escolar e aprendizado da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) e, assim, promover uma melhor comunicação entre os familiares. As crianças participam das programações uma vez por semana na instituição, com atividades lúdicas, recreação, reforço escolar e aulas de Libras, sempre no contraturno escolar, e são buscadas em casa e entregues na escola ou diretamente na residência, conforme a necessidade.
Ainda, segundo Silvia, o Projeto Libras em Casa atende familiares de surdos que desejam aprender a linguagem para uma melhor comunicação em casa. As aulas são direcionadas principalmente às mães dos deficientes auditivos que frequentam o Cais e a voluntários da instituição que têm o desejo de aprender a língua.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

EXPEDIENTE

Editor-Chefe: Guilherme Kolling | Produção: Fernanda Crancio | Reportagem: Claudio Medaglia | Projeto gráfico e diagramação: Luís Gustavo S. Van Ondeheusden | Revisão: Rafaela Milara