Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
Dia Nacional do Ministério Público.

Jornal do Comércio

Perspectivas 2019

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 14/12/2018. Alterada em 13/12 às 23h00min

Setor industrial começa a reverter a crise econômica

Atividade do setor metalmecânico deve seguir em ritmo de expansão

Atividade do setor metalmecânico deve seguir em ritmo de expansão


/CLAITON DORNELLES/JC
Roberto Hunoff
Em 2010, a indústria metalúrgica de Caxias do Sul atingiu seu pico em faturamento, chegando à casa de R$ 27,5 bilhões. Em 2016, bateu no valor mais baixo dos anos 2000: R$ 12,2 bilhões, um recuo de 56%. A perda de receita veio acompanhada de forte desemprego, com a redução do quadro em mais de 35%, de 51 mil no início de 2014 para 33 mil no final do ano passado, e uma avalanche de pedidos de recuperação judicial e dezenas de falências.
O início de reversão da crise deu-se em 2017, com crescimento de 9% no faturamento, elevando a R$ 13,3 milhões, mas com agravamento do emprego, com o fechamento de mais 650 vagas. Em 2018, a tendência de alta se manteve. Até outubro, na comparação com igual período do ano passado, o setor acumula incremento de 15%, com vendas de quase R$ 13 bilhões, equivalente a 97% de todo o faturamento de 2017. O mercado de trabalho teve forte reação. Até outubro são quase 5 mil novas vagas, com estoque na casa de 38 mil, semelhante ao que havia em 2015.
Sem estimar um índice para 2019, o presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul e Região (Simecs), Reomar Slaviero, aposta na continuidade da recuperação, principalmente pelo elevado nível de confiança do empresariado e do consumidor. "Acredito num percentual de expansão superior ao que fechamento de 2018", projeta.
O dirigente destaca como positivas as primeiras medidas que o novo governo sinaliza para o mercado, que podem acelerar o ritmo de recuperação. "São anúncios que geram esperança", define. Pondera, no entanto, que ainda serão necessários alguns anos para que o setor alcance o nível de patamares anteriores.
Para 2019, a expectativa é de continuidade na forte reação do segmento automotivo, responsável por 73% da receita do setor e que acumula incremento de 22% de janeiro a outubro em relação ao mesmo período do ano passado. A atividade metalmecânica deve seguir o mesmo ritmo de expansão, puxada especialmente pelo segmento de cutelaria. Até outubro, o crescimento é de 10%. O segmento eletroeletrônico, com perda de quase 9% neste ano, deve crescer, mas em índices menores. A tendência no mercado de trabalho é de manter a recuperação, mas sem chegar aos números robustos de anos anteriores. A política de automação continuará cada vez mais presente no setor, em linha com a realidade mundial, na busca da elevação da competitividade.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

EXPEDIENTE

Editor-chefe: Guilherme Kolling | Editor de Economia: Luiz Guimarães | Editores: Ana Fritsch, Cristiano Vieira, Carol Zatt, Daniel Sanes, Juliano Tatsch, Luciana Radicione, Luciane Medeiros, Marcelo Beledeli, Mauro Belo Schneider, Cristine Pires, Paula Coutinho e Paula Quedi | Repórteres: Adriana Lampert, Bruna Suptitz, Carlos Villela, Carolina Hickmann, Deivison Ávila, Fernanda Crancio, Guilherme Daroit, Igor Natusch, Isabella Sander, Jefferson Klein, Marcus Meneghetti, Lívia Araújo, Roberta Mello, Thiago Copetti, Ricardo Gruner, Patrícia Knebel, e Suzy Scarton | Projeto gráfico: Luís Gustavo S. Van Ondheusden | Diagramação: Caroline Motta, Ingrid Muller, Juliano Bruni, Kimberly Winheski | Revisão: Rafaela Milara e Thiago Nestor | Transposição para a internet: Equipe do JC On-Line e i94.Co. - Jornal do Comércio