Porto Alegre, sexta-feira, 18 de outubro de 2019.
Dia do Médico.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Medicina e Saúde 2019

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 18/10/2019. Alterada em 18/10 às 09h19min

Atenção aos avanços e desafios para levar atendimento a todos

Profissionais devem estar preparados para as mudanças na prática de procedimentos

Profissionais devem estar preparados para as mudanças na prática de procedimentos


MARCO QUINTANA/JC
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e com mestrado em Gastroenterologia pela mesma instituição, Dr. Manoel Trindade, 67 anos, conta que passou por todas as fases e desenvolvimentos da medicina. Cirurgião do aparelho digestivo, ele lembra que começou a operar pacientes "com peito aberto", passou a utilizar a videolaparoscopia e, atualmente, lida com a cirurgia robótica minimamente invasiva. "A medicina avança muito rápido, e, com isso, surgem grandes desafios. Por isso, em alguns cenários, é difícil adequar isso para a realidade médica", comenta Trindade, pai do presidente do Cremers, Eduardo Trindade.
Doutor pela Escola Paulista de Medicina, o médico decano exemplifica que há mudanças na prática médica quando os procedimentos são feitos em hospitais particulares ou públicos e que o profissional deve estar sempre preparado para adequar-se às situações. Pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a cirurgia de sua especialidade ainda é feita com o peito aberto. Já nas autorizadas por convênios particulares, há a possibilidade de operar com videolaparoscopia ou cirurgia robótica. "Essa é a diferença que temos que tirar, esse é o maior desafio do médico. Ele não pode depender do tipo de avanço. Ele tem que saber fazer, porque precisa levar a medicina para toda a população", salienta.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Também professor titular da Ufrgs, ele conta que faz questão de explicar aos alunos que o médico tem um papel social importante, na medida em que ele encara a medicina como um benefício aos seus pacientes. No entanto, admite os obstáculos. "A gente vê a dificuldade de infraestrutura, de hospitais, de leitos e de exames. É o grande desafio que já encontramos e vamos ainda encontrar. Acompanhar a evolução da profissão já é difícil, mas aqui, no Brasil, a gente encontra ainda mais uma dificuldade, que é a precariedade do serviço médico para a população", desabafa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

EXPEDIENTE

Editor-chefe: Guilherme Kolling (guilhermekolling@jornaldocomercio.com.br) | Produção: Fernanda Crancio (especiais@jornaldocomercio.com.br) | Reportagem: Eduarda Endler | Diagramação: Ingrid Müller, Juliano Bruni, Kimberly Winheski, Luis Gustavo Van Ondheusden e Taimá Walther | Projeto gráfico: Luis Gustavo Van Ondheusden | Revisão: Rafaela Milara