Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Hospitais no Estado

- Publicada em 00h00min, 08/10/2018.

Beneficência Portuguesa entra em nova fase após reestruturação

Local foi reaberto em agosto, com 22 leitos de internação e 11 de observação na unidade de pronto socorro

Local foi reaberto em agosto, com 22 leitos de internação e 11 de observação na unidade de pronto socorro


CLAITON DORNELLES /JC
O Hospital Beneficência Portuguesa, de Porto Alegre, espera entregar mais unidades reestruturadas da instituição para vistoria da Vigilância Sanitária em novembro. Uma parte delas, como a agência transfusional e o pronto atendimento, já está finalizada e aguarda visita da agência de vigilância a qualquer momento. Enquanto isso, seguem as tratativas com a Secretaria Municipal de Saúde para abrir atendimentos públicos nas áreas de diagnóstico por radiologia, ultrassonografias, pequenas cirurgias e cirurgias do sistema osteomuscular. As informações são da Associação Beneficente São Miguel (ABSM), responsável pelo hospital desde julho de 2018.
O Hospital Beneficência Portuguesa, de Porto Alegre, espera entregar mais unidades reestruturadas da instituição para vistoria da Vigilância Sanitária em novembro. Uma parte delas, como a agência transfusional e o pronto atendimento, já está finalizada e aguarda visita da agência de vigilância a qualquer momento. Enquanto isso, seguem as tratativas com a Secretaria Municipal de Saúde para abrir atendimentos públicos nas áreas de diagnóstico por radiologia, ultrassonografias, pequenas cirurgias e cirurgias do sistema osteomuscular. As informações são da Associação Beneficente São Miguel (ABSM), responsável pelo hospital desde julho de 2018.
De acordo com o diretor executivo da ABSM, Ricardo Pigatto, ao assumir a gestão após a derrocada financeira do Beneficência Portuguesa, a ABSM encontrou apenas um paciente, internado desde outubro de 2017, e cerca de 100 funcionários sem receber salários desde o ano passado. Áreas como pronto atendimento, andares de internação, laboratório, agência transfusional, Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), bloco cirúrgico e sala de recuperação precisavam passar por revitalização. "Já conseguimos revitalizar uma unidade de internação, o laboratório, a agência transfusional e o pronto atendimento. Agora, estamos aguardando a visita da Vigilância Sanitária para liberar estas unidades e atendimentos a pacientes de convênios particulares", conta Pigatto.
A crise estourou ainda em 2017, quando a instituição filantrópica centenária quase fechou as portas. Com problemas financeiros, os salários dos funcionários foram atrasados, e o número de pacientes atendidos caiu. A situação ficou mais crítica em dezembro daquele ano, após o fim do contrato com a prefeitura de Porto Alegre, pois ele não estava sendo cumprido. A exigência do acordo com o executivo municipal era oferecer 116 leitos e cerca de 320 internações para receber R$ 1,4 milhões por mês.
Em fevereiro de 2018, uma equipe técnica do Hospital Sírio-Libanês iniciou, com apoio institucional do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), um estudo de três meses de duração para entender a situação do Beneficência Portuguesa. O diagnóstico deveria avaliar a estrutura, a situação das dívidas e apontar um perfil para dar prosseguimento aos atendimentos no local. Por fim, apesar de mostrar uma dívida de R$ 100 milhões, a conclusão do relatório foi de que era viável a continuidade das atividades no hospital, desde que bem gerido e, provavelmente, com apoio de outra instituição.
Foi quando entrou em cena a ABSM. A empresa, especializada em gestão de saúde e que já havia assumido o Hospital Parque Belém, acolheu ativos e passivos do Beneficência Portuguesa em um contrato, inicialmente, de cinco anos. O objetivo, nesse período, é reunir credores e oferecer um acordo extrajudicial para pagamento das dívidas, assim como investir, imediatamente, R$ 2 a R$ 3 milhões para retomar os atendimentos. Ainda em processo de reestruturação, o local foi reaberto no fim do último mês de agosto, contando com 22 leitos de internação e 11 leitos de observação na unidade de pronto socorro.
Comentários CORRIGIR TEXTO