Porto Alegre, sábado, 02 de outubro de 2021.
Dia Internacional do Notário.
Porto Alegre,
sábado, 02 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

STF

- Publicada em 02/10/2021 às 09h33min.

Governos devem ressarcir hospital privado usando valores da ANS, e não do SUS, decide STF

O ministro Luís Roberto Barroso afirmou que seria uma injustiça conceder ao Estado a possibilidade de seguir os valores do SUS

O ministro Luís Roberto Barroso afirmou que seria uma injustiça conceder ao Estado a possibilidade de seguir os valores do SUS


NELSON JR/SCO/STF/DIVULGAÇÃO/JC
O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (30) que hospitais privados devem ser ressarcidos pelo Estado de acordo com a tabela de preços da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) caso sejam obrigados a tratar um paciente do SUS (Sistema Único de Saúde) por ordem judicial.
O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (30) que hospitais privados devem ser ressarcidos pelo Estado de acordo com a tabela de preços da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) caso sejam obrigados a tratar um paciente do SUS (Sistema Único de Saúde) por ordem judicial.
A decisão foi unânime. Os ministros rejeitaram a tese do governo do Distrito Federal, que pedia para a corte estabelecer que o ressarcimento deveria ocorrer de acordo com a tabela do SUS, que tem valores inferiores à da ANS.
O caso chegou ao Supremo após uma pessoa garantir na Justiça o tratamento em uma instituição privada de saúde por falta de vagas na rede pública.
Na ocasião, o Executivo do DF não pagou pelo atendimento e o hospital acionou a Justiça para cobrar o ressarcimento das despesas médicas. O Tribunal de Justiça do DF, então, determinou o reembolso, mas o governo local recorreu para que o pagamento ocorresse conforme os preços do SUS.
Os ministros do Supremo, no entanto, rejeitaram a tese e afirmaram que o mais justo, nesses casos, é que seja observada a tabela da ANS.
O caso foi julgado em um recurso com repercussão geral reconhecida, o que significa que a decisão valerá para todas as ações similares em curso no país.
Relator do processo, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que seria uma injustiça conceder ao Estado a possibilidade de seguir os valores do Sistema Único de Saúde. "No caso concreto, por exemplo, a Unimed será ressarcida pelo mesmo critério e valor que teria que pagar se a situação fosse invertida, se um cliente seu, em lugar de usar a rede da Unimed tivesse se internado em uma instituição vinculada ao Sistema Único de Saúde, disse.
O magistrado disse que essa é a solução mais adequada por utilizar o mesmo critério do ressarcimento feito pelo SUS quando um paciente é atendido pela iniciativa privada.
"Parece razoável que a referência de ressarcimento para o sistema público por serviço prestado em favor de beneficiários da saúde suplementar também seja utilizada como limite máximo para a indenização por requisição de serviço em favor do Estado".
Folhapress
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO