Porto Alegre, domingo, 14 de março de 2021.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 14 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

PODER JUDICIÁRIO

- Publicada em 19h13min, 14/03/2021. Atualizada em 19h35min, 14/03/2021.

Projeto para suspender auxílio-saúde para MP, Judiciário e Defensoria tem apoio de 25 deputados

Um total de 25 deputados de nove bancadas busca suspender a medida

Um total de 25 deputados de nove bancadas busca suspender a medida


MARIANA ALVES/JC
Deputados de nove bancadas partidárias da Assembleia Legislativa assinaram requerimento para protocolar Projetos de Decreto Legislativo (PDLs) para barrar o pagamento do auxílio-saúde aos membros do Ministério Público, Judiciário e Defensoria Pública, instituído nesta semana. Os pedidos, que contam com adesão de 25 parlamentares, foram encaminhado na sexta-feira ao presidente da Casa, deputado Gabriel Souza (MDB).
Deputados de nove bancadas partidárias da Assembleia Legislativa assinaram requerimento para protocolar Projetos de Decreto Legislativo (PDLs) para barrar o pagamento do auxílio-saúde aos membros do Ministério Público, Judiciário e Defensoria Pública, instituído nesta semana. Os pedidos, que contam com adesão de 25 parlamentares, foram encaminhado na sexta-feira ao presidente da Casa, deputado Gabriel Souza (MDB).
O movimento de coleta de assinaturas foi liderado pela Frente Parlamentar de Combate aos Privilégios, presidida pelo deputado Fábio Ostermann (NOVO). “Este é mais um privilégio que vai doer muito no bolso dos gaúchos, pois se trata de um aumento disfarçado justamente para servidores que já estão no topo da remuneração no serviço público, incluindo aí juízes, desembargadores, procuradores e defensores. Precisamos estar unidos e mobilizar a sociedade gaúcha para impedir este benefício, imoral, descabido e totalmente inoportuno”, defendeu Ostermann.
Segundo levantamento da bancada do NOVO, o impacto anual da medida aos cofres públicos pode ultrapassar os R$ 500 milhões.
Comentários CORRIGIR TEXTO